Óscar Pérez: a história de um herói venezuelano

RENOVA teve a oportunidade de acompanhar toda a história recente do piloto Óscar Pérez em sua batalha contra a ditadura comunista de Nicolás Maduro.

A primeira vez  que ouvimos falar de Óscar Pérez foi no dia 27 de junho de 2017, quando o piloto e um grupo de apoiadores se rebelaram contra a ditadura venezuelana, roubaram um helicóptero e sobrevoaram a sede do STF na capital Caracas disparando tiros e lançando granadas. Ninguém ficou ferido na ocasião.

Horas após o ataque, Perez foi o único do grupo que mostrou o rosto em vídeo publicado nas redes sociais denunciando a ditadura Maduro.

Fazemos um chamado a todos os venezuelanos do oriente ao ocidente, de norte a sul (…) para reencontrarmos com nossa força armada e, juntos, recuperarmos nossa amada Venezuela.

No início, houve muita desconfiança em torno do grupo rebelde, inclusive entre movimentos da própria oposição venezuelana, principalmente por causa dos bicos de Óscar Pérez no mundo da sétima arte.

Segundo a mídia local, ele era um agente altamente capacitado, parte da Brigada de Ações Especiais e que já tinha sido chefe de operações da Divisão Aérea da polícia.

Um dia após o ataque, a Venezuela emitiu ordem de captura nacional e internacional contra Óscar, que foi classificado de “terrorista”.

O helicóptero utilizado por Óscar para se rebelar contra a ditadura foi encontrado abandonado, mas não tivemos notícias do paradeiro dele e dos membros da sua equipe.

Em 13 de julho de 2017, durante o auge das manifestações contra Nicolás Maduro, o piloto deixou o esconderijo e compareceu em protesto noturno na capital Caracas.

No final do mês de julho, um cineasta venezuelano foi preso por ligações com Óscar.

Após meses sumido, o piloto reapareceu no final de dezembro durante ataque contra quartel na Venezuela que terminou com várias armas roubadas. Maduro ficou indignado e pediu “chumbo” contra os autores da ação.

No dia 27 de dezembro de 2017, Óscar Pérez publicou vídeo nas redes sociais, junto com membros do seu grupo, pedindo rebelião popular contra a ditadura Maduro.

Ontem (15/01), as redes sociais ficaram sabendo em primeira mão os acontecimentos que terminaram na execução de Óscar Pérez e do seu grupo.

Segundo informações do Antagonista:

Ex-prefeito de Caracas e líder opositor em exílio, Antonio Ledezma disse que a execução de Pérez foi realizada sob ordens expressas de Maduro:

“Óscar Pérez foi executado por ordens de Maduro. Esse capítulo se soma ao expediente que circula no Tribunal de Haia, esperando uma sentença contra os que aplicam a pena de morte. Peço ao povo que, em homenagem a estes mártires, não decline na sua luta.”

Após muitos rumores e informações conflitantes, uma imagem divulgada na manhã desta terça-feira (16/01) comprovou a morte do piloto.

Antes de ser executado pelas forças de segurança da Venezuela, Óscar deixou uma mensagem para seus 3 filhos:

Sebastian, Santiago, Dereck, eles sabem que nós fizemos isso por vocês, por todas as crianças da Venezuela. Espero vê-los em breve, eu amo vocês, crianças, eu amo vocês.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

3 Comentários

  1. Marlus disse:

    G1 Chama esse cara de “Rebelde” e Cesari batisti de “ativista”

  2. Neia disse:

    Ele foi um herói isso sim!! A mídia distorce demais!

  3. Jobson Andrade Filho disse:

    HERÓI da Venezuela, do Brasil, do Continente Latino Americano, do MUNDO e da DEMOCRACIA…. Ou ficar a Pátria livre ou Morrer por ela…. por seu povo, por seus filhos, pela HONRA que só os HERÓIS sabem não tem preço. Parabéns meu Jovem FOI MACHO mais que muitos viados covardes que temos por aqui, inclusive eu mesmo. Mas nada impede de lhe dar os parabéns. Que sua morte não seja em vão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *