11 brasileiros acusados de recrutar jihadistas para o Estado Islâmico

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou 11 brasileiros por formação de organização criminosa e promoção do grupo terrorista Estado Islâmico.

A instituição afirma que houve tentativa de recrutar jihadistas e planos de formar uma célula do Estado Islâmico no Brasil.

A denúncia é resultado da Operação Átila da Polícia Federal e tem como base conversas que os acusados mantinham em aplicativos de mensagens e redes sociais, interceptadas pela PF.

De acordo com informações da Gazeta do Povo:

Pelo menos sete pessoas foram detidas desde outubro. Duas continuam presas preventivamente: Jhonathan Sentinelli Ramos, de 23 anos, que cumpre pena por homicídio, e Welington Moreira de Carvalho, de 46 anos. Os demais respondem em liberdade.

Cinco acusados também estão respondendo pelo crime de corrupção de menores, que teriam sido recrutados pelo grupo.

As investigações começaram ainda em 2016 quando a PF recebeu um comunicado da divisão antiterrorismo da Guarda Civil Espanhola. O alerta informava os números de telefones brasileiros que estavam em grupos do WhatsApp suspeitos de promover, organizar ou integrar o estado Islâmico.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia