127 mortos em protestos na Nicarágua

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) elevou nesta segunda-feira (4) para 127 o número de pessoas que morreram nos protestos contra o governo do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega.

O secretário-executivo da CIDH, o jurista brasileiro Paulo Abrão, declarou que “segundo nossos dados, os protestos deixaram 127 mortos e cerca de mil feridos”.

Para entender a magnitude desta tragédia, Abrão lembrou que as sangrentas manifestações de entre abril e julho de 2017 na Venezuela, um país seis vezes maior que a Nicarágua, terminaram com 112 mortos.

Abrão denunciou que a resposta das autoridades nicaraguenses aos protestos foi “muito desproporcional”, com o objetivo de criar um ambiente de “intimidação e terror”.

De acordo com informações do BOL:

Além disso, criticou que, segundo as testemunhas consultadas pela CIDH, várias autópsias não foram realizadas de maneira adequada, muitos feridos receberam alta “de forma apressada” e a polícia nicaraguense atacou ambulâncias, entre outras questões.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) decidiu na semana passada com a CIDH e o governo da Nicarágua criar um grupo para investigar os incidentes de violência, formado por integrantes selecionados pela comissão interamericana.

A respeito dessa equipe, Abrão explicou que a CIDH está na fase final de seleção dos membros que viajarão para a Nicarágua “nos próximos dias ou em uma semana”.

O grupo, que emitirá um relatório em um prazo de seis meses, analisará as linhas de investigação dos protestos e realizará “recomendações estruturais e de reformas legislativas” para evitar que esta situação volte a ocorrer, segundo o brasileiro.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.