Português   English   Español

5 mil criminosos de guerra podem ter entrado na Alemanha

5 mil criminosos de guerra podem ter entrado na Alemanha
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Uma nova reportagem publicada pela imprensa alemã afirma que, desde 2014, o governo da chanceler Angela Merkel permitiu que milhares de criminosos de guerra entrassem no país.


A jornal alemão Bild afirmou que um novo relatório afirma que, entre 2014 e 2019, o governo de Angela Merkel não apenas permitiu a entrada de 5.000 imigrantes envolvidos com violações do direito internacional, como também não investigou quase nenhum deles.

O relatório revelou que o Escritório Federal de Migração e Refugiados (BAMF) alertou o governo de Merkel sobre cerca de 5 mil imigrantes que participaram de “crimes sob a lei internacional”.

De acordo com dados do Ministério do Interior da Alemanha que foram solicitados pelo Partido Liberal Democrata (FDP), apenas 129 dos imigrantes foram verdadeiramente investigados pelo governo de Merkel.

Linda Teuteberg, uma política do FDP, falou sobre os dados:

“Os criminosos de guerra não devem obter proteção na Alemanha. Tenho dúvidas se o governo federal realmente fez isso com a seriedade necessária nos últimos anos.”

Ainda segundo a matéria do Bild, a maioria dos casos aconteceu no auge da crise dos refugiados, em 2015.

Questionado sobre a reportagem, o Ministério do Interior afirmou que o “grande número de imigranes impediu a investigação imediata de cada caso”, mas sustentou que o os casos não foram negligenciados, mas estavam aguardando investigação adicional e possível processo judicial.

Curta e compartilhe...

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...