Português   English   Español
Português   English   Español

7 ditaduras financiadas pelos governos do PT nos últimos anos

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

O texto abaixo é a reprodução de uma matéria de Felippe Hermes, no site Spotniks. Apesar de ter sido escrita há 2 anos, o conteúdo continua extremamente relevante.

“Não podemos ter preconceito com países não democráticos.”

A frase acima, dita pelo ex-presidente Lula em 2009 na cúpula das nações africanas, fez parte daquilo que norteou sua política externa. Buscar ampliar o comércio com nações periféricas aproveitando-se dos seus ganhos com a alta de preços de produtos como petróleo, levou Lula a peregrinar por África e Oriente Médio como poucos presidentes no mundo. Destas saudações da diplomacia brasileira a nações ditatoriais, ou “não democráticas”, bilhões em obras para empreiteiras brasileiras como OAS e Odebrecht surgiram. Outros bilhões, porém, saíram do Brasil para financiar obras e serviços.

Um dos países com pior colocação mundial em rankings de competitividade, o Brasil optou por financiar obras e serviços em países ao redor do mundo, com o intuito de lucrar por meio delas. Através de contratos até pouco tempo secretos (alguns ainda permanecem secretos), centenas de obras como rodovias, hidrelétricas, ferrovias, barragens, aeroportos e metrôs foram erguidos na América Latina e na África, alvos principais da atuação brasileira.

Ao todo, US$ 11,9 bilhões foram desembolsados apenas pelo BNDES, o banco público responsável por realizar estes financiamentos. Segundo apontou O Globo, tais empréstimos causaram prejuízo anual de R$ 1,1 bilhão ao trabalhador, uma vez que são realizados com recursos do FAT, um fundo financiado com parte dos salários de cada trabalhador brasileiro.

A prática de financiar países em situações ditatoriais – bem verdade – não é uma exclusividade brasileira. A ausência de critérios objetivos para se determinar certos financiamentos, por outro lado, é algo particularmente tupiniquim. A falta de transparência nos contratos (alguns, como os do porto de Mariel em Cuba, realizados em condições completamente atípicas), é motivo mais do que suficiente para que se questione a motivação pela qual estes financiamentos são aprovados. Revelações indicando lobby do ex-presidente Lula a favor de empreiteiras, como as reveladas na 14ª fase da Operação Lava Jato, temperam ainda mais as suspeitas.

Muito mais do que enaltecer ditaduras com palavras, o governo brasileiro vem há algum tempo empenhando-se para dar suporte a elas, tudo às custas de alguns bilhões subtraídos do bolso do trabalhador. Abaixo, selecionamos 6 exemplos destes.

 

1. Angola

Uma das mais antigas ditaduras do planeta, Angola tem sido um dos principais alvos do esforço brasileiro em estreitar relações com países africanos. Entre 2002 e 2012, o comércio entre ambos os países cresceu 416%, chegando a exportações brasileiras de US$ 1,3 bilhão e importações de US$ 1,2 bilhão. Entre os principais produtos importados pelo Brasil, o petróleo angolano lidera.

O país africano é atualmente o que mais rende contratos a empreiteiras brasileiras e é o maior recebedor de recursos do BNDES, com US$ 5 bilhões já concedidos. A construção de rodovias e hidrelétricas por parte de empresas como Odebrecht e Camargo Corrêa, fazem do país um parceiro comercial importante.

Terra da mulher mais rica do continente africano, e filha do presidente do país (que está no cargo desde 1979), Angola é também um celeiro fértil para investimentos brasileiros. Sua maior empregadora é justamente a brasileira Odebrecht, dona de uma rede de supermercados e financiadora do Santos Futebol Clube, que homenageia ao mesmo tempo o time brasileiro e o presidente do país.

Junto de Cuba, Angola é um dos dois países em que o BNDES tornou secretos os contratos. As condições de financiamento, taxas de juros e prazos permanecem desconhecidas. As relações brasileiras com o país são também alvo de investigadores da Polícia Federal na Operação Lava Jato, uma vez US$ 50 milhões teriam sido doados por empresas brasileiras a campanhas no país. O valor, segundo apurou a Polícia Federal, teria sido pago a João Santana, marqueteiro do PT e do presidente angolano.

 

2. Cuba

No poder desde 1959, a família Castro segue influenciando nações latino-americanas por suas ideias. Em troca, o país recebe centenas de milhões de dólares em exportações agrícolas, financiamentos dos mais diversos, doações de barris petróleo ou mesmo alimentos. Tudo a despeito de viver em um bloqueio comercial.

Há não muito tempo, quase 1 milhão de toneladas de alimentos partiram dos estoques da Companhia Nacional de Abastecimento para o país, a título de doação.

Mais conhecido, o porto de Mariel, construído no país e financiado pelo BNDES, levou US$ 682 milhões em recursos do banco. Junto de Angola, foram US$ 850 milhões apenas em 2014. Obras das mais diversas, como o aeroporto da capital, ou usinas de cana de açúcar operadas pela brasileira Odebrecht são alvos dos empréstimos feitos em condições mais do que especiais.

Conforme apurado pela Época, o financiamento do porto cubano contou com cláusulas que estabeleciam prazos até 2 vezes maiores que o normal, e garantias dadas em “rendas do tabaco”. Em suma, Cuba recebe recebe quase 1 bilhão de dólares, para serem pagos em um tempo mais do que razoável, com rendas incertas. No meio da negociação, segundo a revista, o ex-presidente Lula (que está processando a revista).

E não apenas de financiar obras vive a relação brasileira com tais países. De Cuba, o Brasil importa serviços – através do ‘Mais Médicos’. Pagando cerca de R$ 10 mil por médico cubano, o país terceiriza a mão de obra do sistema de saúde brasileiro, gerando recursos volumosos para o regime dos irmãos Castro, que fica com até 70% dos valores recebidos pelos profissionais. Nesta modalidade, o Brasil já repassou R$ 2,8 bilhões à ilha caribenha.

 

3. Zimbabué

Há 30 anos no poder, Robert Mugabe, o ditador zimbabuano, lidera uma das nações mais pobres do continente africano, conhecida por muitos apenas pela sua exorbitante taxa de inflação e pela nota de 1 trilhão de “dólares do Zimbábue”.

Com números alarmantes de desnutrição infantil e alto índice de pessoas vivendo na miséria, o país é alvo constante de doações internacionais que buscam amenizar o caos. Sua situação produtiva e corrupção crônica, entretanto, impedem uma efetividade em medidas do gênero. Regras instáveis, que levaram à expropriação de fazendeiros brancos para a realização de uma reforma agrária forçada, fazem da produção agrícola no país algo longe do necessário.

Ditador mais velho do mundo, com 92 anos, Mugabe é um dos envolvidos com o escândalo do Panamá Papers, que envolve documentos da empresa Mossack Fonseca, responsável por ajudar inúmeras pessoas ao redor do mundo a ocultar patrimônio (a empresa é também citada na Operação Triplo X da Lava Jato, uma vez que os apartamentos vizinhos ao Triplex da OAS no Guarujá estão em nomes de uma off-shore criada pela empresa).

Para o Brasil, porém, o Zimbábue é uma terra de oportunidades. Recentemente, em 2013, o BNDES decidiu liberar R$ 250 milhões em uma linha de crédito ao governo do país.

 

4. Venezuela

Enquanto a Venezuela entra um estágio avançado de convulsão social, decretando feriado para economizar energia, sofrendo com desabastecimento e o aumento da pobreza, além da maior recessão do continente, para o Brasil, nada mudou – o país vizinho ainda é o mesmo de 2005, quando promessas de investimento de bilhões ainda tornavam-o um parceiro comercial relativamente forte.

A promessa de investir em uma refinaria com a Petrobras em Pernambuco, por exemplo, resultou em calote. Nada que abalasse os investimentos brasileiros e os recursos destinados a obras no país. Pontes, hidrelétricas e rodovias foram financiadas por lá, com dinheiro brasileiro. A maior beneficiária, a própria Odebrecht, que concentra 70% dos recursos destinados a financiamento de serviços no exterior pelo banco.

Nem mesmo as acusações de violação de direitos humanos, prisões políticas e mortes de estudantes em protestos contra o governo, mereceram críticas da diplomacia brasileira.

Do metrô da capital Caracas à ponte que liga o país ao Brasil, as obras financiadas pelo BNDES são inúmeras. Em 2009, no auge do preço do petróleo, as empreiteiras brasileiras chegaram a ter contratos de US$ 20 bilhões no país. Segundo o Tribunal de Contas da União, boa parte desses contratos registraram inúmeras irregularidades.

 

5. Congo

Há quase 4 décadas o país africano, o mais pobre do continente, acumulava dívidas com o Brasil. Bens e serviços vendidos pelo país e financiados pelo governo brasileiro. Para o governo brasileiro, tal dívida significava um problema para garantir que o país se tornasse um parceiro comercial importante. No intuito de ajudar o país e permitir que ele contraísse novas dívidas, US$ 400 milhões foram perdoados.

Perdoar dívidas do país significou, entre outras coisas, libera-lo para novos empréstimos, em bancos como o próprio BNDES.

Oficialmente, o país é uma república, cujo presidente Denis Nguesso está no poder desde 1997, constantemente reeleito. Na prática, porém, Nguesso assumiu o poder de forma não tão democrática em 1979, e em 1992 saiu do poder, perdendo as eleições (ficando em 3º lugar).

 

6 e 7. Guiné Equatorial e Gabão

Poucas coisas unem as duas nações, além das fronteiras e do idioma comum (o francês). Dentre elas, o fato de ambos serem ditaduras é provavelmente o mais relevante, uma vez que seu vizinho maior, o Congo, encontra-se na mesma situação, demonstrando o clima nada estável pelo qual vive a região (próxima também a Angola).

Ambas as ditaduras possuem histórias distintas. No Gabão, Ali Bongo é oficialmente o “presidente eleito” e seu pai, Omar Bongo, governou o país durante 42 anos. Na Guiné Equatorial, Teorodo Obiang é ele próprio o ditador há 36 anos.

Com a riqueza do petróleo, que torna ambos o 1º e o 3º maior PIB per capita do continente respectivamente, ambos os países são propícios para se fazer negócios.

Citada na 14ª fase da Operação lava jato (a Operação Triplo X), a Guiné Equatorial é mais conhecida por aqui pela sua participação no carnaval carioca, quando financiou o desfile da Beija-Flor.

Em uma tacada só, perdoando US$ 900 milhões em dívidas de diversos países africanos, a presidente Dilma anistiou ambos os países de suas dívidas. Não mais do que algumas semanas depois do ocorrido, o filho do ditador Teodorín Obiang foi visto em Paris, onde teria gasto em uma única noite na casa de leilões Christie’s duas vezes mais do que a dívida perdoada pelo governo brasileiro.

O governo que vive destacando a importância que dá aos valores democráticos, não perde tempo antes de fazer alianças políticas e econômicas com algumas das ditaduras mais perversas do planeta.

 

Adaptado da fonte Spotniks

Compartilhe...

Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
Share on reddit
Share on linkedin
Share on email

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...

Curta a RENOVA!