70 bombas-relógio no centro de São Paulo

O oportunismo dos movimentos da extrema-esquerda, a crise econômica e o aumento no preço dos aluguéis no Centro de São Paulo fizeram com que o número de prédios invadidos saltasse de 42, em 2013, para cerca de 70.

Em 2013, um estudo havia identificado 42 imóveis invadidos no centro. Desde então, movimentos sem-teto ganharam força, inclusive com a profusão de pequenos grupos, afirmam as próprias lideranças.

Segundo informações da Folha:

De acordo com levantamento da pasta da Habitação, cerca de 25% das ocupações monitoradas pelo Núcleo de Mediação de Conflitos, municipal, estão no centro da cidade, com 7% das famílias residentes nas moradias.

Na zona leste, estão 22% dos imóveis ocupados. Neles, estão 30% das famílias.

O núcleo, vinculado à pasta, visa negociar soluções entre proprietários e ocupantes.

De acordo com informações do BR-18:

Segundo a secretaria de Habitação, haveria mais de 4.000 famílias vivendo nesta situação.

Como são prédios abandonados, as condições de segurança muitas vezes são similares às do prédio que desabou.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia