A eleição do celular contra a televisão

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Para o analista e fundador do Ideia BigData, com horário eleitoral em queda e 90 milhões de brasileiros no WhatsApp, ‘o debate será intenso fora da TV’ e a disputa eleitoral fica menos desigual.

Na disputa presidencial em curso, que esquenta a partir do dia 31 com propaganda em rádio e televisão, “não dá pra pensar numa estratégia eficiente sem o WhatsApp. E não vai existir a tal separação entre propaganda na TV e as redes digitais”.

Esse desenho de campanha é do analista eleitoral Maurício Moura, do grupo IdeiaBigData. “Vai ser uma batalha entre o celular e a televisão”, resume o estudioso.

Seus números dão o que pensar.

Há hoje pelo menos 90 milhões de brasileiros usando WhatsApp, num País de 147 milhões de eleitores. E cada cidadão consulta seu celular, em média, 30 vezes por dia.

Outra conta decisiva:

A audiência da propaganda política nas tevês, na média nacional, caiu de 22 pontos em 2008, para 6 em 2016.

Ou seja, a disputa não será tão desigual quanto alguns imaginam.

Adaptado da fonte Estadão

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.