PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Acelerador de partículas do Brasil busca ajudar pesquisas sobre coronavírus

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

A expectativa é que os feixes estejam prontos para funcionar ainda no primeiro semestre deste ano.

Uma equipe de cientistas do Brasil corre contra o tempo para usar o acelerador de partículas Sirius no combate à pandemia do novo coronavírus

A ideia¹ é usar a capacidade do superlaboratório de luz síncrotron de 4ª geração instalado em Campinas, interior de São Paulo, na descoberta de novas informações sobre a Covid-19.

A pesquisadora Daniela Trivella acredita que o acelerador pode ajudar a descobrir “detalhes finos²” de como funciona o vírus:

“Não entendemos 100% como funciona o vírus, e descobrir os detalhes finos de como tudo acontece vai ajudar a desenvolver ferramentas adequadas para combatê-lo.”

Localizado no Centro Nacional de Pesquisa em Energias e Materiais (CNPEM), o Sirius foi concebido para analisar diferentes materiais em escalas de átomos e moléculas. 

Em outras palavras, o Sirius atua como uma espécie de raio X³ com uma potência extraordinária.

Dessa forma, espera-se que as habilidades do Sirius possam oferecer imagens inéditas das interações entre vírus e células humanas.

Referências: [1][2][3]
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.