Acionistas do Facebook voltam a pedir demissão de Mark Zuckerberg

A semana para o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, não está sendo muito boa.

Além de ver boa parte do seu patrimônio se desvalorizar radicalmente com a queda de 20% no valor das ações do Facebook, o executivo também está tendo que lutar para permanecer no controle da sua própria companhia.

Um fundo chamado Trillium, que controla mais de US$ 11 milhões em ações do Facebook, protocolou uma proposta de mudanças de governança, que visa fazer com que Mark Zuckerberg abandone ao menos uma de suas posições na empresa.

Gestores do fundo acreditam que Zuckerberg concentra poder demais dentro da companhia, conforme reportado pelo site Business Insider.

Atualmente, Mark Zuckerberg ocupa o cargo de CEO da empresa, mas também acumula a posição de presidente do conselho.

De acordo com informações do site Olhar Digital:

O documento afirma que um CEO que também chefia o conselho pode exercer influência demais sobre conselheiros, enfraquecendo o poder de supervisão da gerência da companhia. Assim, o ideal seria que o executivo fosse substituído por um presidente independente do conselho do Facebook, como fazem empresas como Apple, Google, Microsoft e tantas outras.

Entre os gatilhos para que essa proposta ganhe força estão as crises enfrentadas recentemente pelo Facebook, o caso da tentativa de interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA em 2016 e até mesmo a recente situação em Mianmar, onde atos de violência acabaram incitados por meio da rede social. Os resultados abaixo do esperado anunciados na última quarta-feira, 25, também não colaboram.

O problema é que, apesar de o Trillium ter apoio, com 51% dos acionistas independentes votando a favor das mudanças, é praticamente impossível realizar qualquer mudança na organização do Facebook se Zuckerberg não quiser, graças à estrutura acionária da companhia.

Hoje, a companhia tem dois tipos de ações: Classe A e Classe B. As ações Classe B têm um poder de voto 10 vezes maior do que as Classe A. E, para dificultar ainda mais, Mark Zuckerberg controla 75% das ações Classe B, o que faz com que ele tenha controle praticamente total sobre as votações da empresa. Assim, ele só sairá de um dos cargos que ocupa se renunciar de forma voluntária.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia