Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Ala progressista da Igreja Católica articula oposição ao governo Bolsonaro

Ala progressista da Igreja Católica articula oposição ao governo Bolsonaro
COMPARTILHE

As críticas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) contra o então candidato Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral ainda não cicatrizaram.

Órgãos ligados à CNBB, como o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e a Comissão Pastoral da Terra (CPT), não economizaram ataques, que continuaram após a eleição e a posse de Jair Bolsonaro na Presidência da República.

A Pastoral Carcerária, por exemplo, é uma ação da Igreja Católica Romana no Brasil, vinculada à CNBB, distribuiu nota na semana passada em que critica o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro. A nota emitida pela pastoral foi repassada por influenciadores e blogs ligados ao PT como um demérito da proposta apresentada pelo ex-juiz que condenou o ex-presidente Lula da Silva, líder da legenda.

Durante a campanha, a Pastoral da Terra divulgou relato do bispo André de Witte, da Bahia, que apontou Bolsonaro como um “perigo real”.

Agora, com a divulgação dos informes pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) sobre encontros de cardeais do Brasil com o papa Francisco, no Vaticano, para discutir a realização do Sínodo sobre Amazônia, a ação destas organizações passaram a ser vistas com preocupação por parte do governo federal.

Durante 23 dias, o Vaticano vai discutir a situação da Amazônia e tratar de temas considerados pelo governo brasileiro como uma “agenda da esquerda”, que ameaça a soberania nacional.

Segundo os relatórios da inteligência brasileira, setores da Igreja Católica, que é uma tradicional aliada do PT, estariam se articulando para influenciar debates antes protagonizados pelo partido no interior do País e nas periferias.

“Estamos preocupados e queremos neutralizar isso aí. […] Achamos que isso é interferência em assunto interno do Brasil”, explicou o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), ao jornal Estadão.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários