Ala progressista da Igreja Católica articula oposição ao governo Bolsonaro

Idiomas:

Português   English   Español
Ala progressista da Igreja Católica articula oposição ao governo Bolsonaro
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

As críticas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) contra o então candidato Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral ainda não cicatrizaram.


Órgãos ligados à CNBB, como o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e a Comissão Pastoral da Terra (CPT), não economizaram ataques, que continuaram após a eleição e a posse de Jair Bolsonaro na Presidência da República.

A Pastoral Carcerária, por exemplo, é uma ação da Igreja Católica Romana no Brasil, vinculada à CNBB, distribuiu nota na semana passada em que critica o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro. A nota emitida pela pastoral foi repassada por influenciadores e blogs ligados ao PT como um demérito da proposta apresentada pelo ex-juiz que condenou o ex-presidente Lula da Silva, líder da legenda.

Durante a campanha, a Pastoral da Terra divulgou relato do bispo André de Witte, da Bahia, que apontou Bolsonaro como um “perigo real”.

Agora, com a divulgação dos informes pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) sobre encontros de cardeais do Brasil com o papa Francisco, no Vaticano, para discutir a realização do Sínodo sobre Amazônia, a ação destas organizações passaram a ser vistas com preocupação por parte do governo federal.

Durante 23 dias, o Vaticano vai discutir a situação da Amazônia e tratar de temas considerados pelo governo brasileiro como uma “agenda da esquerda”, que ameaça a soberania nacional.

Segundo os relatórios da inteligência brasileira, setores da Igreja Católica, que é uma tradicional aliada do PT, estariam se articulando para influenciar debates antes protagonizados pelo partido no interior do País e nas periferias.

“Estamos preocupados e queremos neutralizar isso aí. […] Achamos que isso é interferência em assunto interno do Brasil”, explicou o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), ao jornal Estadão.

Curta e compartilhe...

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...