Português   English   Español

Alemão acusado de envolvimento em 36 mil mortes em campo nazista

Alemanha vem acelerando os processos de indivíduos de baixo escalão desde a condenação de John Demjanjuk, um guarda do campo de extermínio de Sobibor, em 2011.

Um alemão de 95 anos que reside em Berlim foi acusado de ser cúmplice do assassinato de mais de 36 mil pessoas no campo de extermínio de Mauthausen, na Áustria, durante a Segunda Guerra Mundial.

A informação é da procuradoria-geral de Berlim, como noticiou a agência Reuters.

O homem, identificado somente como Hans H. por razões legais, supostamente serviu em uma companhia da SS nazista no maior campo de extermínio austríaco do verão de 1944 à primavera de 1945.

Ele é acusado de ter vigiado prisioneiros no campo, que fica a cerca de 20 quilômetros da cidade austríaca de Linz, e durante marchas para locais de trabalho forçado, disse a procuradoria-geral em um comunicado.

“Durante a época do crime, ao menos 36.223 foram mortas no campo de concentração de Mauthausen. Os assassinatos foram realizados em sua maioria por meio do uso de gás, mas também por meio de ‘ações de banho mortais’, injeções e fuzilamentos, e também por meio da fome e do frio”.

O alemão estava “ciente de todos os métodos de assassinato, além das condições de vida desastrosas da pessoas encarceradas no campo”, disse o comunicado. O texto ainda afirma que ele quis “apoiar ou ao menos ajudar a facilitar as muitas milhares de mortes causadas pelo principal perpetrador”.

A procuradoria-geral disse que está apresentando as acusações segundo novas leis que permitem o processo de pessoas envolvidas no “maquinário da morte” nazista, ainda que não tenham matado ninguém pessoalmente.

Deixe seu comentário...

Veja também...

Newsletter Renova!

Preencha o formulário para assinar nossa newsletter.

Nome Email
newsletter