América Central tenta controlar fluxo de refugiados da Venezuela

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

A Guatemala confirmou nessa segunda-feira (19) a decisão de exigir vistos para os venezuelanos, uma medida já tomada por Panamá, Honduras e Nicarágua.

A iniciativa coincide com o agravamento da crise na Venezuela, o que motivou milhares de pessoas a fugir. Por isso, países como a Costa Rica, que mantém a política de não pedir visto aos venezuelanos, registraram um grande aumento dos pedidos de refúgio.

O vice-ministro de Relações Exteriores da Guatemala, Pablo García, disse que seu país “não pode ficar para trás” depois de outros governos terem adotado a mesma medida nos últimos dias.

O Panamá decidiu exigir vistos dos venezuelanos em outubro do ano passado e também reduziu pela metade o tempo que eles podem permanecer como turistas no país, de 180 para 90 dias. Colômbia e Nicarágua adotaram iniciativas similares.

O presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, explicou na época que pretendia proteger o emprego dos panamenhos e a segurança interna. Em agosto, 2 mil venezuelanos chegaram ao país por semana.

Honduras tomou a decisão de cobrar visto dos venezuelanos desde novembro, justificando a medida como “reciprocidade”, já que Caracas também exige o documento dos hondurenhos.

A mesma reciprocidade foi usada pela Nicarágua, uma aliada de Maduro, para passar a solicitar em agosto de 2016 vistos de turista para os venezuelanos.

 

Com informações de: [BOL]

RENOVA Mídia precisa do seu apoio para continuar em funcionamento. Conheça nossa história e faça sua doação (boletou ou cartão) através da plataforma ApoiaSe. Clique AQUI e faça sua parte.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.