Apesar das penas mais duras, estupros de menores aterrorizam a Índia

Semanas após aprovar a pena de morte para estupradores de menores de 12 anos, a Índia está tendo que lidar com vários casos chocantes de estupro.

No domingo (6), 14 homens e uma mulher foram presos acusados de queimar viva uma jovem de 16 anos, vítima de um estupro coletivo no Estado de Jharkhand, na Índia.

A família da menor, que foi sequestrada e violada por um grupo de homens a caminho de um casamento na noite da quinta-feira (3), denunciava o caso às autoridades.

O conselho municipal cobrou multa de cerca de R$ 2.600 reais de dois dos acusados. Inconformada com a decisão, na sexta-feira (4), uma multidão incendiou a casa da jovem vítima de estupro, que acabou morrendo.

Na mesma sexta-feira, outra jovem, de 17 anos, foi estuprada e resgatada entre as chamas em sua casa no distrito vizinho de Pakud, também em Jhardhand.

No Estado de Odisha, também no leste do país, seis pessoas foram detidas, incluindo um menor de idade, pelo estupro de uma menina de 14 anos na sexta-feira no distrito de Sambalpur.

A onda de crimes acontece algumas semanas após a aprovação de uma legislação mais rígida para estupradores.

Segundo informações do El País:

Além da imposição da pena capital para os culpados de violações de menores de 12 anos, a recente modificação da Lei de Proteção de Menores ante Delitos Sexuais aumenta as demais penas mínimas.

Assim, os violadores de mulheres maiores de 16 anos podem pegar no mínimo uma década na prisão, enquanto os condenados por violações a menores com idades entre 12 e 16 anos terão que passar 20 anos atrás das grades.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia