- PUBLICIDADE -

Após 233 milhões de anos, dinossauro tem cérebro reconstituído

Após 233 milhões de anos, dinossauro tem cérebro reconstituído

Dessa forma, este dinossauro passou a ser o mais antigo a ter o cérebro completamente reconstituído.

- PUBLICIDADE -

Paleontólogos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), do Rio Grande do Sul, e da Universidade de São Paulo (USP) são os responsáveis pela descoberta do fóssil do Buriolestes schultz.

O dinossauro viveu há 233 milhões de anos, no período Triássico — datado entre 250 milhões e 200 milhões de anos –, onde hoje se situa o Rio Grande do Sul.

O animal era bípede e de pequeno porte. Tinha 1,5 metro de comprimento e mantinha dieta faunívora — comia carnes, insetos e invertebrados.

Através da análise da ossada e de uma tomografia computadorizada, que possibilitou entender o espécime, os pesquisadores concluíram se tratar de um animal caçador com visão aguçada.

Dessa forma, este dinossauro passou a ser o mais antigo a ter o cérebro completamente reconstituído.

O trabalho dos brasileiros resultou em artigo publicado no periódico internacional Journal of Academy.

“Com o advento de novas tecnologias, como a microtomografia computadorizada, é possível gerar um modelo tridimensional que preserva feições da morfologia externa do cérebro”, explica o paleontólogo José Darival Ferreira.

“Foi possível preencher virtualmente a cavidade encefálica do Buriolestes schultzi e gerar um modelo tridimensional do cérebro e do ouvido interno. Com isso, conseguimos observar o padrão bastante primitivo (não muito especializado ou modificado, em comparação a outros dinossauros). As estruturas observadas no cérebro do animal, nos indicam que era provavelmente um caçador de boa visão, e de olfato não tão desenvolvido”, continua Darival.

PUBLICIDADE

- PUBLICIDADE -

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit

- PUBLICIDADE -

- PUBLICIDADE -

- PUBLICIDADE -