- PUBLICIDADE -

Aras destaca que inquérito no STF investigará Bolsonaro e Moro

PGR se manifesta a favor de candidaturas avulsas
Imagem: Reprodução/EBC
- PUBLICIDADE -

“O inquérito apura fatos pertinentes a ambos”, disse o procurador-geral sobre o inquérito aberto pelo STF.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, comentou, nesta segunda-feira (27), sobre o inquérito em torno das denúncias feitas pelo agora ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, contra o presidente da República, Jair Bolsonaro.

A abertura das investigações foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, na noite de ontem. 

Em conversa com a emissora CNN Brasil, Aras disse que o “inquérito apura fatos pertinentes” a Moro e Bolsonaro:

“Há a possibilidade de surgir novos tipos penais que não foram aventados na nossa instauração de inquérito. Contra um, contra outro ou contra terceiros.”

O procurador-geral disse que Bolsonaro será investigado por:

  • crimes de falsidade ideológica;
  • coação no curso do processo;
  • advocacia administrativa;
  • prevaricação;
  • obstrução de justiça;
  • denunciação caluniosa;
  • crime contra a honra.

Aras destacou que Moro, por sua vez, poderá responder por denunciação caluniosa:

“O inquérito apura fatos pertinentes a ambos. Todavia, é importante dizer que, no que toca ao ex-ministro da Justiça, a denunciação caluniosa é um tipo penal, que, em tese, é aplicado quando alguém dá causa à instauração de inquérito. E as declarações do ex-ministro deram causa à instauração de inquérito.”

PUBLICIDADE
- PUBLICIDADE -

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -