Áustria fecha cerco contra imigrantes ilegais

Idiomas:

Português   English   Español
TARCISO MORAIS
TARCISO MORAIS
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

O ministro do Interior da Áustria prometeu tornar políticas migratórias mais rigorosas depois que um estudo do governo revelou que os estrangeiros foram responsáveis por 40% dos crimes cometidos em 2016 e que o número de imigrantes criminosos aumentou 13% em um ano.


O novo governo conservador austríaco vem sendo denunciado pela grande mídia como “extremista de direita” por procurar reforçar os controles das fronteiras e reduzir significativamente a entrada de “refugiados”.

O ministro do Interior, Herbert Kickl, busca implementar novos procedimentos que incluam inspeções dos telefones celulares dos imigrantes para determinar sua origem geográfica e caminho até a Europa, raios-X para verificar a idade verdadeira do recém-chegado e possível confisco de objetos de valor e dinheiro para compensar os custos impostos pela sua estadia no país.

O vice-chanceler da Áustria, Heinz-Christian Strache, afirmou que os imigrantes ilegais criaram um ambiente mais perigoso para os austríacos nativos.

“Isso nos mostra que aqueles que nos procuram em busca de proteção são também aqueles de quem devemos proteger o povo austríaco”, disse ele.

Siga a RENOVA no TWITTER e acompanhe todas as notícias em tempo real.

Um dos principais objetivos do novo governo, conforme detalhado em seu acordo de coalizão, é estabelecer uma distinção definitiva entre a imigração padrão e a busca por asilo – uma questão que tem sido fortemente ignorada por muitos órgãos governamentais europeus nos últimos anos.

Com informações de: (1)

Curta e compartilhe...

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...