PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Barroso fala em “operação abafa” para impedir combate à corrupção

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
Capa: Carlos Moura

Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou em um debate em Cambridge, no Estados Unidos, que há uma “operação abafa” para tentar impedir o combate à corrupção.

Segundo ele, desde que ficou claro que o tribunal vai limitar fortemente o foro privilegiado, o foco foi para tentar alterar a jurisprudência da corte, para acabar com a obrigatoriedade da prisão de réus após a condenação em segunda instância — o objetivo seria fazer com que a prisão só ocorresse após o trânsito em julgado, ou seja, que todos os recursos sejam esgotados.

Em sua apresentação no Brazil Conference at Harvard & MIT, o ministro declarou:

Há uma operação abafa em curso. A estratégia mudou para acabar com a execução (da pena) após o segundo grau. Daí a ação o processo (contra corrupção) vai começar no primeiro grau e não vai acabar nunca. A estratégia (da operação abafa) foi alterada diante da perspectiva da mudança do foro.

O ministro afirmou que há três pontos que precisam ocorrer para progredir no combate à corrupção: garantir a punição (neste caso, em sua opinião, manter a prisão após a decisão de segunda instância é essencial), a reforma política e a redução do tamanho do estado.

— O sistema político é um indutor da criminalidade. E a redução do estado não significa estado mínimo — disse ele, defendendo a redução dos cargos comissionados e das estatais, mas mantendo os programas sociais.

Com um forte discurso contra a corrupção, Barroso afirmou, contudo, que este não pode ser o único tema do país. Ele afirmou que isso é uma condição básica para o país avançar em outros pontos.

— A corrupção não pode ser um monotema da sociedade brasileira — disse ele.

No fim, Barroso falou em uma eferência que foi entendida como a Temer e a Lula.

— Sou juiz do STF há cinco anos. Procuro ser o melhor juiz que eu consigo ser, que é um juiz que faz uma interpretação constitucional retilínea e não desvia quando chega em A, não desvia quando chega T e não desvia quando chega em L.

 

Com informações de: [OGlobo]
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.