- PUBLICIDADE -

Biden reconhece genocídio da Turquia contra o povo da Armênia

Biden reconhece genocídio da Turquia contra o povo da Armênia
- PUBLICIDADE -

Decisão chega em um momento no qual Turquia e EUA têm profundas discordâncias sobre uma série de assuntos.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou, neste sábado (24), que os massacres de 1915 contra o povo da Armênia durante o Império Otomano constituem genocídio.

Em seu comunicado, Biden afirmou que o povo norte-americano honra “todos os armênios que pereceram no genocídio que começou exatamente 106 anos atrás”:

“Ao longo das décadas, imigrantes armênios enriqueceram os Estados Unidos de incontáveis maneiras, mas nunca esqueceram esta história trágica… Nós honramos a história deles. Nós vemos a dor. Nós afirmamos a história. Não fazemos isso para atribuir responsabilidade, mas para garantir que o que aconteceu nunca se repita.”

A declaração histórica enfureceu o regime da Turquia e deve tensionar ainda mais os laços entre os dois aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

A decisão de Biden quebra décadas de linguagem cuidadosamente calibrada da Casa Branca.

O chanceler da Turquia, Mevlut Cavusoglu, disse que a país “rejeita inteiramente” a declaração dos EUA que, segundo ele, foi baseada “apenas em populismo”.

O primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan, em uma carta enviada ao presidente dos EUA, disse que a mensagem de Biden foi recebida com “grande entusiasmo” pelo povo da Armênia e armênios ao redor do mundo, disse

Durante décadas, medidas para reconhecer o genocídio armênio empacaram no Congresso dos EUA e presidentes norte-americanos se abstiveram de chamá-lo dessa maneira, preocupados com as relações com a Turquia e diante de um intenso lobby de Ankara.

PUBLICIDADE
- PUBLICIDADE -

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -