Big techs se unem contra ‘milícias de extrema direita’

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

“Milícias de extrema direita” estão na mira das gigantes tecnológicas.

As maiores empresas de tecnologia dos Estados Unidos, incluindo Facebook e Microsoft, criaram uma “organização de contraterrorismo”. 

A informação foi divulgada, nesta segunda-feira (26), pela agência Reuters.

A agência diz que a organização está criando um “importante banco de dados”, com o objetivo de reprimir material de “supremacistas brancos e milícias de extrema direita”.

Até agora, o banco de dados do Fórum Global da Internet para Contra o Terrorismo (GIFCT) se concentrava em vídeos e imagens de grupos terroristas em uma lista das Nações Unidas (ONU).

A lista consistia em grande parte de conteúdo de organizações extremistas islâmicas, como o Estado Islâmico, a Al Qaeda e o Talibã.

Nos próximos meses, no entanto, o grupo buscará manifestos compartilhados por simpatizantes da supremacia branca e outras publicações sinalizadas pela iniciativa Tech Against Terrorism, também da ONU. 

As empresas, que também incluem Twitter e YouTube, compartilham “hashes”, representações numéricas únicas de peças originais de conteúdo que foram removidas de seus serviços. 

Outras plataformas usam isso para identificar o mesmo conteúdo em seus próprios sites, a fim de revisá-lo ou removê-lo.

A organização também continua a ampliar seu número de parceiros. Recentemente, a Airbnb e a Mailchimp ingressaram como membros.

Enquanto isso, o GIFCT tem recebido duras críticas e alertas de alguns grupos de direitos humanos e digitais sobre censura centralizada, acrescentou a agência Reuters.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.