Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Bolsonaro diz que vai recorrer de decisão da Justiça sobre Adélio

Bolsonaro diz que vai recorrer de decisão da Justiça sobre Adélio
COMPARTILHE

“Então, a gente sabe que o circo é armado. Tentaram me assassinar, sim”, declarou Bolsonaro.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, vai recorrer da decisão que absolveu Adélio Bispo de Oliveira, autor do atentado em Juiz de Fora, interior de Minas Gerais, em setembro do ano passado.

Ao deixar o Palácio da Alvorada, na tarde desta sexta-feira (14), Bolsonaro disse que há um “circo armado”, e acrescentou:

“Estou tomando as providências jurídicas do que posso fazer para recorrer. Normalmente o MP [Ministério Público] pode recorrer também, vou entrar em contato com o meu advogado.”

O juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal em Juiz de Fora, considerou Adélio inimputável por transtorno mental. Dessa forma, o ex-membro do PSOL não pode ser responsabilizado criminalmente por seus atos.

De acordo com laudos periciais oficiais, Adélio é portador de transtorno delirante persistente. Em entrevistas com psicólogos e psiquiatras, ele disse que não cumpriu sua missão e que, saindo da cadeia, iria matar o presidente Bolsonaro.

Bolsonaro disse ainda que tem convicção de que Adélio foi contratado para o assassinar e que, se preciso, vai pagar para que seja feita uma nova avaliação psicológica no acusado.

Na sentença, o juiz aplicou a figura jurídica da “absolvição imprópria”, na qual uma pessoa não pode ser condenada.

Segundo o site G1, o chefe do Executivo declarou:

“O circo armado [é] que, a partir desse momento, se não houver recurso e [o processo] for transitado em julgado, se caso o Adélio queira falar quem pagou a ele para tentar me assassinar, não tem mais valor jurídico, ele é maluco.”

Bolsonaro completou:

“Agora, se fosse o contrário, o que estariam pensando a meu respeito? Então, a gente sabe que o circo é armado. Tentaram me assassinar, sim. Eu tenho a convicção de quem foi, mas não posso falar, não quero fazer o pré-julgamento de ninguém.”

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE