Português   English   Español

Bolsonaro e ministro da Educação criticam escolas do MST

Bolsonaro e ministro da Educação criticam escolas do MST
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Bolsonaro tece críticas e ministro da Educação fala em tirar dinheiro público de escolas do MST.


O presidente da República, Jair Bolsonaro, criticou nesta quinta-feira (25) a “forte doutrinação ideológica” de cerca de 200 mil alunos pobres e de áreas rurais que frequentam aproximadamente duas mil escolas geridas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Ao lado de Bolsonaro no momento da fala, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, aproveitou para defender o fim do repasse de dinheiro público para escolas do movimento.

Bolsonaro mencionou uma “preocupação muito grande” com as escolas do MST:

“Ali [nas escolas do MST], dia sim, dia não, em vez de o Hino Nacional e o hasteamento da bandeira, se canta a Internacional Socialista ou o hino do MST. E há uma forte doutrinação ideológica nessa garotada. No meu entender, não tem que ter política em sala de aula. Nem de esquerda nem de direita. Ou, se tiver, que tenha os dois lados.”

O chefe do Executivo complementou:

“[Nossa intenção é] que tenhamos no futuro, na ponta da linha, bons profissionais e não bons militantes. O que, no meu entender, não é bom para o Brasil.”

Já o ministro da Educação disse que o objetivo do governo é deslocar alunos das escolas do MST “para dentro da República”:

“A gente está chegando ao governo e está vendo que muitos recursos públicos estavam indo para áreas que têm forte viés ideológico. Muitas escolas Sem Terrinha são sustentadas por dinheiro do povo, do contribuinte, do pagador de imposto. Você aí está pagando mais caro o leite do seu filho e uma parte desse imposto, ICMS, acaba indo para a escolinha do Sem Terrinha. Isso tem que acabar. [A ideia] não é fechar escolinha, é cortar gasolina. Quer fazer, faz com o dinheiro deles, não com o nosso.”

Bolsonaro também manifestou sua disposição de colocar o governo para intervir na “questão ideológica” das escolas do MST:

“Agora, na questão ideológica, eu acho que o Estado poderia interferir. Não podemos deixar que se formem militantes ou brasileiros que não terão qualquer qualificação no futuro, que seriam apenas dependentes do Estado em outras áreas.”

E, segundo O Globo, concluiu:

“O que for possível fazer, a gente faz. A gente quer que a escola forme bons profissionais, bons patrões, bons empregados, bons liberais. Isso é coisa para mais de dez anos, mas tem que ter o primeiro passo.”

Curta e compartilhe...

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...