Português   English   Español

“Bolsonaro faz o mesmo que Hitler”, diz ex-reitor da UERJ

O pesquisador Ricardo Vieiralves de Castro – que ocupou o cargo de reitor da UERJ de 2008 a 2015 – disparou ataques contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) por e-mail.

Vieiralves escreve, segundo ele, “para solicitar um tempo de reflexão, e claro, pensar e agir”, pois andou “vivendo um processo de angústia cívica e pessoal”.

O ex-reitor da UERJ disse estar assustado “com as ameaças” que o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) “ditava na ordem do dia aos brasileiros e ao Brasil”.

Para o pesquisador esquerdista, Bolsonaro “faz o mesmo que Hitler em destilar ódio ao bolchevismo, que identificou ao PT aqui em terras tropicais, e mais, de maneira cretina associou esquerda e criminalidade”.

Embora pose de crítico da esquerda brasileira também, Ricardo Vieiralves de Castro admite seu reconhecido esquerdismo e atribui a Bolsonaro a promessa de que “armará o campo para matanças” e de que “vai intervir em Universidades”.

E, para não perder o costume, o reitor repetiu o discurso de que o presidenciável “agride e desrespeita mulheres, ameaça homossexuais, é racista”.

Leiam este trecho, conforme reproduzido pelo O Antagonista:

Não sou daqueles que tratam a política de maneira religiosa e tenho críticas severas as práticas da esquerda no Brasil, do [sic] qual todos sabem que me afilio; mas, amigos e amigas, pensem comigo, a crítica é um ethos da democracia. As ditaduras e os regimes autoritários não as suportam. E as críticas tem o beneficio de gerar crise, compreendida na etimologia grega de mudança. O capitão Bolsonaro nos ameaça o tempo todo. Diz que se perder a eleição será fraude, diz que armará o campo para matanças, diz que armará a população civil para o combate à criminalidade, diz que prende e arrebenta (lembram do último general da ditadura?). Ainda diz que vai intervir em Universidades, que abrirá (ouçam Paulo Guedes) a economia brasileira de maneira submissa aos Estados Unidos, que desregulará mais ainda as relações de trabalho. O capitão Bolsonaro ainda agride e desrespeita mulheres, ameaça homossexuais, é racista e acha graça de si mesmo quando faz seus comentários depreciativos sobre os negros e negras brasileiros. O capitão Bolsonaro é o inverso de Dante que visitou o inferno. Ele quer abrir as portas do inferno para que seja o nosso ambiente. Socorro!

Nestes últimos dias voltei a ter medo no Brasil.

Deixe seu comentário

Veja também...