Português   English   Español
Português   English   Español

Bolsonaro indica aluno de Olavo de Carvalho para coordenar Enem

Bolsonaro indica aluno de Olavo de Carvalho para coordenar Enem
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

O governo Bolsonaro indicou um aluno do professor e filósofo Olavo de Carvalho para ocupar um importante cargo no Ministério da Educação.

“Murilo Resende, o novo coordenador do Enem é doutor em economia pela FGV e seus estudos deixam claro a priorização do ensino ignorando a atual promoção da ‘lacração'”, disse o presidente Jair Bolsonaro, em mensagem publicada no Twitter nesta sexta-feira (5).

Murilo Resende Ferreira foi indicado para comandar a diretoria do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) que cuida do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem).

Em 2016, durante uma audiência no Ministério Público Federal sobre “Doutrinação Político-Partidária no Sistema de Ensino”, ele declarou:

É impressionante a maneira como os professores são incapazes de perceberem que eles têm alguma coisa a ver com o mal da educação brasileira, como eles creditam tudo à sociedade, à ausência de dinheiro.

E acrescentou:

Relembrando meu grande professor Olavo de Carvalho, eu acho que talvez não seja nem necessário um Escola sem Partido, se a gente puder realizar simplesmente uma coisa no nosso ensino: uma prova de português e matemática para os professores.

Segundo “O Globo“, ainda durante este discurso, Murilo Resende se disse “vítima” da doutrinação marxista, mesmo tendo estudado em colégio privado.

Ele também afirmou que a ideologia de gênero é usada por “manipuladores” para esconder a própria falta de preparo:

Então ideologia de gênero, que hoje é o grande cavalo de batalha desses manipuladores, sim, gente que não quer estudar de verdade, que sequer conhece a literatura, sequer conhece a filosofia.


O novo diretor do Enem continuou:

Não se conta isso para os pais, essa é a farsa de vocês. Vocês falam: ah, é simplesmente uma questão de respeito em relação aos homossexuais. É só isso o que a gente quer ensinar.

Na ocasião, o indicado do presidente da República defendeu acabar com a “contaminação ideológica” que ele diz ter chegado ao MEC e atribui o problema ao regime militar:

Esse estágio atual que a gente passa na educação brasileira nasceu em muito sentido já no regime militar. Onde a gente viu o regime militar adotar uma famosa tese da panela de pressão, que para contrabalancear a esquerda guerrilheira, a esquerda lá do Araguaia, eles deveriam dar um espaço a esses marxistas dito democráticos, que não tinham aderido à luta armada. E o espaço deles deveria se dar nas escolas.

E completou:

Com a redemocratização, esse aparelhamento brutal e ditatorial avançou inclusive para lugares como a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), o MEC. (…) Precisa de uma reforma absurda, completa, para limpar todas essa contaminação ideológica até o ponto em que os professores voltem a se preocupar com a sala de aula, e não só com filosofia da educação, ficar discutindo Paulo Freire e a criança do futuro que será um jovem socialista.

Compartilhe...

Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
Share on reddit
Share on linkedin
Share on email

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...

Curta a RENOVA!