Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Bolsonaro quer levar energia solar a áreas da Amazônia

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
Bolsonaro quer levar energia solar a áreas da Amazônia

O programa terá vigência até 2022, com possibilidade de prorrogação “até a conclusão” dos serviços de eletricidade nessas regiões.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, assinou decreto para a criação de um programa que visa levar acesso à energia elétrica a áreas remotas da Amazônia Legal.

O programa intitulado “Mais Luz para a Amazônia” tem o objetivo de utilizar geração solar para atender à demanda energética nessas localidades.

A informação está presente em decreto publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (6).

O plano de energia para a Amazônia irá priorizar famílias de baixa renda inscritas em programas sociais federais, além de assentamentos rurais, comunidades indígenas e territórios quilombolas localizados em reservas extrativistas ou impactados diretamente por projetos de geração e transmissão de energia.

Escolas, postos de saúde e famílias residentes em unidades de conservação também serão priorizadas.

Os atendimentos serão custeados pelos “agentes do setor elétrico” e por um fundo custeado por encargos cobrados na conta de luz, a chamada Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), informa o portal Terra.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o novo programa deverá ainda reduzir o consumo de combustíveis fósseis, uma vez que parte da demanda nas áreas a serem beneficiadas é hoje atendida por termelétricas a óleo.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Comentários

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Outras Notícias