Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Bolsonaro rebate matéria do Fantástico sobre ‘gabinete do ódio’

Bolsonaro rebate matéria do Fantástico sobre ‘gabinete do ódio’
Imagem: Reprodução/Rede Globo
COMPARTILHE

Bolsonaro destacou que a reportagem era de autoria do filho de uma de suas principais antagonistas na imprensa.

Na noite de domingo (26), o programa “Fantástico”, da Rede Globo, abordou o episódio da demissão do ex-ministro Sergio Moro, enfatizando as acusações contra o presidente da República, Jair Bolsonaro.

De acordo com Moro, Bolsonaro estava preocupado com investigações correndo no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre fake news e atos antidemocráticos.

“Nos corredores do Palácio do Planalto, o temor é que os dois inquéritos no STF, que correm sob sigilo, possam atingir dois filhos do presidente: o vereador Carlos Bolsonaro, do Republicanos, e o deputado federal Eduardo Bolsonaro, do PSL”, diz a reportagem.

Após uma abordagem superficial sobre o controverso inquérito no STF, o Fantástico focou no suposto “gabinete do ódio”, que seria comandado pelos dois filhos do chefe do Executivo.

De acordo com a reportagem, o inquérito do STF influenciou o Congresso Nacional, levando a criação, em setembro do ano passado, da Comissão Parlamentar Mista  de Inquérito (CPMI) das Fake News

Após fazer um apurado geral da CPMI, o jornalista cita a opinião da relatora da comissão, Lídice da Mata (PSB-BA), crítica ferrenha do governo. 

Questionada sobre a possível cassação de mandatos, a relatora afirmou:

“Claro, claro. Nós principalmente temos que apresentar comprovação do participação deles e de outros naquilo que eu considero um crime, que é a prática de fake news e a disseminação do ódio na sociedade. Na minha opinião, devemos ter uma proposta de lei que possa punir o crime de fake news no Brasil e tipificar que crime é esse. Isso ameaça totalmente a democracia.”

Em live no Facebook minutos após a exibição da reportagem, Bolsonaro destacou que a matéria era de autoria de Vladimir Netto, filho da jornalista Miriam Leitão, uma de suas principais antagonistas na imprensa.

Segundo Bolsonaro, Moro contratou a nora de Miriam, Giselly Siqueira, para ser assessora de comunicação do Ministério da Justiça. 

Em mensagem no Twitter, ainda na noite de ontem, o deputado Eduardo enfatizou que ele e os irmãos não são alvos de nenhuma investigação na Justiça:

“Nem eu, Flávio ou Carlos respondemos a processo no STF, somos réus ou investigados pela PF.”

E acrescentou:

“Esta CPMI não é uma investigação séria. É um circo armado pela oposição em sintonia com os traíras do PSL para perseguir bolsonaristas. Como disse o presidente sobre a invenção do gabinete do ódio: “a imprensa criou, otário foi quem acreditou.”

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

PUBLICIDADE