Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Brasil avisa Alemanha e Noruega que deseja modificar Fundo Amazônia

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
Brasil avisa Alemanha e Noruega que deseja modificar Fundo Amazônia

O Fundo Amazônia tem cerca de R$ 3,4 bilhões e foi criado em 2008 para receber doações para a conservação da floresta.

O governo do presidente Jair Bolsonaro, com base em uma análise da Controladoria-Geral da União (CGU), afirma que a maior parte dos recursos do Fundo Amazônia é utilizada para pagar folha salarial de ONGs envolvidas com questões ambientais.

O Ministério do Meio Ambiente enviou, nesta terça-feira (4), para as embaixadas da Alemanha e da Noruega a proposta com a alteração no Fundo Amazônia.

O objetivo do governo é alterar as normas do fundo e permitir que os recursos possam ser usados de outras maneiras.

Recentemente, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que tinha o objetivo de estimular empresas privadas a disputar com as ONGs os recursos do Fundo, que é gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Salles disse que a CGU detectou casos de ONGs que gastaram até 70% dos recursos obtidos com o pagamento de salários para seus integrantes. Contracheques de até R$ 46 mil mensais foram observados, informa a revista Veja.

Segundo o G1, uma das medidas propostas pelo Brasil é o pagamento de indenizações a donos de propriedades privadas que viviam em áreas de unidades de conservação. As atuais regras não permitem o uso do dinheiro para tal pagamento.

No fim de maio, o governo e as embaixadas da Alemanha e Noruega tiveram uma reunião para tratar das alterações. Na ocasião, Salles afirmou que o governo só editaria um novo decreto para alterar as normas do Fundo Amazônia quando houver um acordo entre “todas as partes”.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email