Brasil é líder em casos de suborno e corrupção em empresas

Frases como “se eu não pagar por fora, alguém vai pagar” são mais comuns no ambiente corporativo nacional do que se pode imaginar.

Pesquisa global feita pela empresa de consultoria e auditoria Ernst & Young (EY), que ouviu 2.550 executivos de 55 países, mostrou que para 96% dos profissionais brasileiros entrevistados, as práticas de suborno ou corrupção ocorrem amplamente nos negócios.

Para efeito de comparação, em 2014, quando a Operação Lava-Jato, iniciada em 2009, prendeu Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras – naquele momento, as investigações saíam do ambiente de lavagem de dinheiro e chegavam aos primeiros indícios de corrupção –, esse número era de 70%.

De acordo com informações do Correio Braziliense:

Com esse percentual, o Brasil ficou em primeiro lugar de um total de 53 países e regiões participantes da pesquisa, que está em sua 15ª edição.

No outro extremo do ranking, ficou a Alemanha, onde apenas 2% disseram ter essa percepção sobre o ambiente de negócios.

Os Estados Unidos, que são referência no combate à corrupção empresarial, graças a uma lei aprovada pelo Congresso americano em 1977, ficaram na 39ª posição.

Na América do Sul, a média é de 74%, e a melhor posição é a do Chile, no 27º lugar. Já a pior, depois do Brasil, é a da Colômbia, a vice-campeã da lista.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia