Brasil liberou R$ 2,2 bi para metrôs da Odebrecht na Venezuela

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

As duas obras – construções da linha 5 do metrô de Caracas e da linha 2 do metrô de Los Teques – estão paradas desde 2015 e com apenas pouco mais da metade dos trabalhos concluídos. Não há previsão de entrega do projeto.

Depois de oito anos de trabalho e pelo menos três de atraso, no dia 4 de novembro de 2015 foram inauguradas as duas primeiras de nove estações previstas da linha 5 do metrô de Caracas, na Venezuela.

Missão cumprida, obra maravilhosa“, afirmou na cerimônia de entrega o ditador Nicolás Maduro, sobre o projeto que começou com seu antecessor, Hugo Chávez.

Entretanto, passados dez anos do início das construções tocadas pela empreiteira brasileira Odebrecht com financiamento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o trecho de 1,5 km entre as estações Bello Monte e Zona Rental (que faz a ligação com outras linhas do metrô na capital venezuelana) é o único em funcionamento até hoje. Faltam 7,5 km e seis estações, apenas considerando esta linha.

O Brasil pagou à Odebrecht o equivalente a R$ 2,279 bilhões –ou US$ 690,725 milhões no câmbio desta quinta-feira (22)– referentes a dois empréstimos tomados pelo governo da Venezuela junto ao BNDES. para as obras de expansão do metrô da capital, tocadas por um consórcio liderado pela construtora brasileira.

O valor corresponde a 92% do total dos dois financiamentos iniciais concedidos para estes projetos, de R$ 2,445 bilhões, mas apenas uma fração do custo total dos projetos para o governo venezuelano: R$ 35 bilhões.

 

Com informações de: [UOL]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.