Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Campanha contra agrotóxicos é movida por militantes, diz Xico Graziano

Campanha contra agrotóxicos é movida por militantes diz Xico Graziano
COMPARTILHE

“Há, claramente, uma articulação política recente querendo grudar uma espécie de maldade no governo Bolsonaro”, diz Graziano.

O engenheiro agrônomo Xico Graziano é professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), já foi deputado pelo PSDB e integrou o governo de São Paulo.

Xico, que também faz sucesso nas redes sociais por falar da questão do agronegócio sem um viés de esquerda, hoje fala com exclusividade à minha coluna aqui na RENOVA.

Como você avalia o trabalho da ministra da Agricultura e do ministro do Meio Ambiente?

XICO: Gosto muito da Tereza Cristina, é engenheira agrônoma, tem experiência pública, é boa política. Trouxe um brilho pessoal, uma visão peculiar, supermoderna, para o ministério da Agricultura. Esta dando um show no governo. Dou-me bem também com o Ricardo, acho-o impetuoso, corajoso na luta contra o esquerdismo verde, denuncia o ecoterrorismo. O grande mérito dele foi ter chamado a atenção para a necessidade de investir nas políticas ambientais urbanas, pois o ambientalismo brasileiro é muito ligado às questões agrárias.

Você faz defesa do uso de agrotóxicos. Por que você acredita que ele é benéfico, diferente do que muita gente defende?

XICO: Essa pergunta estranha um engenheiro agrônomo como eu. Eu defendo a moderna agronomia, a produtividade rural, as boas práticas agrícolas, defendo a alimentação saudável, a segurança alimentar do povo. Os pesticidas, chamados pejorativamente de agrotóxicos, entram nesse contexto. Eles têm sido necessários para o sucesso do processo produtivo rural em grande escala, no Brasil e no mundo todo. Ninguém gosta de aplicar pesticida, os agricultores o utilizam porque necessitam controlar pragas e manter seus níveis de produção, sua rentabilidade. É igual antibiótico, ou qualquer remédio humano. Os médicos os recomendam e utilizados conforme a prescrição, são seguros às pessoas. Agrotóxico funciona igual remédio: usado conforme as recomendações técnicas, são seguros.

É possível um mundo sem os agrotóxicos?

XICO: Ainda não, mas pode ser que sim. Mais provável será a utilização conjunta de várias ferramentas biológicas e químicas, além da engenharia genética, no controle de pragas. Insetos, fungos, bactérias, existem desde tempos remotos, e continuarão a atacar lavouras e criações. Estufas controladas, fechadas, prescindem o uso de pesticidas, mas o custo ainda é bem mais elevado que o cultivo no campo. Nos chamados alimentos orgânicos, ao contrário do que muitos pensam, também se utiliza agrotóxicos químicos, especialmente caldas à base de carbonato de cálcio, cobre e enxofre. E produtos naturais, como óleo de Nim, em crescente utilização, apresentam toxicidade ambiental ou humana às vezes mais elevada que elementos químicos. Não é porque é natural que é bom, ou se é químico não presta, tudo depende da dose, do uso correto. Má agricultura pode ser convencional ou orgânica; a boa também. Elas se complementam, não necessariamente competem entre si. Eu mesmo já fui produtor orgânico, estimulo meus alunos a entrarem nesse ramo, que anda bastante rentável, pois atende a um nicho de mercado sofisticado e rico.

Há algum interesse por trás desse discurso contra os agrotóxicos?

XICO: Há, claramente, uma articulação política recente querendo grudar uma espécie de maldade no governo Bolsonaro. Basta ver que os líderes dessa campanha contra agrotóxicos são militantes, velhos conhecidos, de partidos de esquerda radical. Não tem nada de científico nisso, é totalmente ideológico. Existem, também, interesses dos naturalistas em vender seus produtos, incluindo uma certa gastronomia de elite que combate o agronegócio para vender, bem caro aliás, seus pratos diferenciados da culinária camponesa. A burguesia adora essas coisas, acha chique comer devagar. O problema é que a mídia divulga informações imprecisas sobre resíduos nos alimentos, trazendo preocupações nas donas de casa comuns, como se o mundo estivesse sendo contaminado por agrotóxicos, o que é uma mentira. Muito mais alarmante é o nível de resíduos de drogas, como cocaína, e determinados remédios, como antibióticos, que estão causando resistência das bactérias, matando milhares de pessoas. Alimento não mata ninguém, salva as pessoas da fome.

Líderes e ONGs internacionais estão muito interessados na Amazônia. Você acredita que isso é por qual motivo?

XICO: Acho que existe um interesse sincero das pessoas, dos europeus principalmente, na defesa da natureza, das florestas e da biodiversidade. Eu não acredito em conspirações para pegar minérios, essas coisas. Penso mais que os europeus carregam um sentimento de culpa histórica por terem desmatado totalmente seus territórios — embora os tivessem depois reflorestado –, drenados todos os pântanos, queimado tanto carvão mineral para se industrializarem e aquecerem seus lares, poluírem tanto a atmosfera no passado, e hoje precisam agir como que para espiar suas culpas ecológicas.

O agronegócio brasileiro é sustentável?

XICO: Caminha para ser, totalmente. Felizmente a evolução tecnológica nos últimos 30 anos permite integrar e compatibilizar a produção rural com a preservação ambiental, que é o núcleo do agroambientalismo que defendo a vida inteira. A erosão dos solos era terrível no passado, e está controlada pelo plantio direto na palha; as matas ciliares estão sendo recuperadas, protegendo recursos hídricos. O bem-estar animal chegou agora à pecuária, não se fala noutra coisa entre os criadores. Novos pesticidas, menos tóxicos e mais seletivos, avançaram no controle fitossanitário, reduzindo a dose média de aplicação, nas lavouras, em 95% daquilo que se fazia nos anos de 1960. Estamos caminhando bem rumo ao agronegócio sustentável. Damos lições para o mundo nessa matéria, baseados numa agropecuária tropicalizada, integrada e produtiva, que tira 2 a 3 safras no mesmo pedaço de terra, modelo agrícola único no planeta.

Você disse em suas redes sociais que está preparando um livro de mitos sobre o agronegócio brasileiro. Você poderia dizer um desses mitos?

XICO: “Mitos e fatos sobre a agricultura brasileira”, esse é o título provisório de meu mais recente livro, escrito com a parceria de 2 colegas engenheiros agrônomos da Embrapa, e deverá ser lançado em meados de 2020. O mito mais unânime, e o mais errado, é aquele que afirma que 70% dos alimentos no Brasil são produzidos pela agricultura familiar. Nunca, jamais, se encontrou em qualquer publicação a origem desse número mágico. Vamos dissecar essa e outras dezenas de fake news, vamos combater os agromitos com informação precisa, técnica, referenciada. Cada um pense o que quiser sobre o agro, mas não me venha com conversa fiada.

Por que você deixou o PSDB? Houve alguma postura do partido que te desagradou?

XICO: Todos os partidos se apodreceram nesse processo terrível que gerou o perverso Mecanismo, desonesto e falso, que passou a dominar a política no país. Minha desilusão era enorme. Foi quando decidi sair do PSDB para apoiar, abertamente, a candidatura Bolsonaro, que corria por fora do sistema. Não me arrependo, pelo contrário, estou animado. Primeiro porque, acabando com a corrupção sistêmica, a quadrilha vermelha se reduziu a quase nada. Segundo porque a alternância do poder oxigenará a democracia, contrapondo ideias de direita, liberais, aos cânones da esquerda socialdemocrata. Veja bem, embora apoie firmemente o governo, eu não sou bolsonarista, sou defensor da democracia e da decência na vida pública. Odeio autoritarismo, essas propostas malucas de fechar Congresso, STF, sei lá o que mais. Acredito no valor da política, na força das ideias para levar uma nação em frente. Não sou sectário. Há bons e honestos homens públicos em qualquer partido, esquerda ou direita, assim como fora deles. Importa pensar na rês pública, conforme aprendi com Franco Montoro.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários