Português   English   Español

Campanha de Bolsonaro usa comunicação militar, diz antropólogo

Campanha de Bolsonaro usa comunicação militar, diz antropólogo

Os movimentos da campanha presidencial de Jair Bolsonaro (PSL) podem levar à impressão de que a estratégia de comunicação do candidato é amadora, o que não condiz com a realidade.

De acordo com o antropólogo Piero Leirner, professor da Universidade Federal de São Carlos que estuda instituições militares há quase 30 anos, a comunicação de Bolsonaro tem se valido de métodos e procedimentos bastante avançados de estratégias militares, manejados de maneira “muito inteligente, precisa, pensada”.

Leirner explicou, segundo informações da Folha:

Não se trata exatamente de uma campanha de propaganda; é muito mais uma estratégia de criptografia e controle de categorias, através de um conjunto de informações dissonantes.

E acrescentou:

É parte do que tem sido chamado de ‘guerra híbrida’: um conjunto de ataques informacionais que usa instrumentos não convencionais, como as redes sociais, para fabricar operações psicológicas com grande poder ofensivo, capazes de ‘dobrar a partir de baixo’ a assimetria existente em relação ao poder constituído.

A cúpula da campanha de Jair Bolsonaro (PSL) conta com a participação de diversos membros das Forças Armadas, que tiveram contato com essas doutrinas.

O deputado federal é o candidato preferido da maioria dos 17 generais de quatro estrelas da corporação –o topo da hierarquia, conforme noticiado pela Renova Mídia.

Uma dos protagonistas do grupo de Bolsonaro é o general quatro estrelas da reserva Augusto Heleno, que já foi selecionado para assumir o Ministério da Defesa em um eventual governo do PSL.

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe seu comentário

Veja também...