- PUBLICIDADE -

Campanha de Trump entra com ação contra ex-assessora presidencial

- PUBLICIDADE -

Omarosa Manigault Newman violou acordo de confidencialidade feito em 2016 assumido por ela com a campanha republicana de Donald Trump.

A campanha pela reeleição de Donald Trump deu início a um procedimento arbitral contra a ex-assistente de campanha e funcionária da Casa Branca, Omarosa Newman, sob a alegação de que ela violou um acordo de confidencialidade ao denegrir o presidente dos Estados Unidos em seu novo livro.

Omarosa, que foi demitida em dezembro de seu trabalho com relações comunitárias para a administração Trump, diz que gravou secretamente outros funcionários de sua administração e até mesmo publicou a gravação de quando o chefe de gabinete John Kelly a despediu. De acordo com ela, a conversa ocorreu na Sala de Situação da Casa Branca, que é ultra-segura e onde dispositivos pessoais são proibidos.

Um funcionário da campanha de Trump disse sob condição de anonimato para o The Washington Examiner que Manigault Newman violou o acordo de uma forma “ultrajante”, e que a campanha pretende conseguir uma indenização de milhões de dólares. A campanha também poderá declarar que os ganhos com seu livro são “ilícitos”.

“Donald J. Trump for Presidente, Inc. iniciou um procedimento arbitral contra Omarosa Manigault Newman junto à Associação Americana de Arbitragem (AAA) da cidade de Nova Iorque, pela violação do acordo de confidencialidade feito em 2016 que ela assumiu com a Campanha Trump”, disse o funcionário, e acrescentou que o presidente “é conhecido por ter proporcionado oportunidades às pessoas para avançarem em suas carreiras e em suas vidas durante décadas, mas o que é errado é errado, e uma violação direta de um acordo deve ser tratada, e o violador deve ser responsabilizado [por seus atos]”.

O acordo proíbe Manigault Newman de divulgar informações gravadas sobre o presidente, suas empresas ou sua família, ou “falar mal” da família Trump “durante seu tempo em serviço e em qualquer momento posterior”, de acordo com uma cópia obtida pelo jornal.

Embora Manigault Newman afirme que não assinou um acordo de confidencialidade (AC) com a administração, a campanha afirma que seu AC ainda está em vigor.

 

Adaptado da fonte Epoch Times
PUBLICIDADE
- PUBLICIDADE -

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -