Candidato que rejeita acordo com guerrilhas dispara na Colômbia

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Duas pesquisas de intenção de voto divulgadas no domingo mudaram o panorama das eleições presidenciais colombianas, cujo primeiro turno ocorre em 27 de maio.

Até então, os números indicavam uma grande fragmentação, com pelo menos três candidatos com cerca de 20% de intenções de voto e o resto ainda mais diluído entre outras candidaturas.

Pois em ambas as sondagens recentes houve uma disparada significativa do candidato apoiado pelo ex-presidente direitista Álvaro Uribe, o senador Iván Duque, também antiacordos de paz com guerrilhas, e que ultrapassou o esquerdista Gustavo Petro, ex-prefeito de Bogotá e ex-guerrilheiro do M-19, que até então vinha liderando.

Numa delas (Guarumo-Ecoanalítica), Duque, que iniciou a campanha com cerca de 9% de intenções de voto, aparece com 35,4%, contra 22% de Petro. Noutra, de instituto mais confiável (Invamer), Duque lidera com 45,9%, contra 26,7% de Petro. As duas apontam para um segundo turno em 17 de junho (para vencer no primeiro turno, o candidato necessita ter 50% dos votos mais um). Num segundo turno, as projeções indicam que Duque venceria qualquer um dos opositores.

As pesquisas nem sempre são confiáveis na Colômbia – erraram no primeiro turno da eleição de 2014 e no plebiscito do acordo de paz, em 2016. Porém, diferença tão contundente alertou analistas e comandos de campanha. “Pela primeira vez em muito tempo, a eleição está se polarizando já no primeiro turno”, diz o analista político Rodrigo Pardo.

 

Com informações de: [VE]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.