PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Cardeais da Alemanha criticam Sínodo da Amazônia

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Religiosos alemães dizem que o evento do Vaticano sobre a Amazônia seria uma desculpa para tratar de política, abolição do celibato e sacerdócio feminino.

As críticas de cardeais da Alemanha ao Sínodo da Amazônia e indiretamente ao papa Francisco deverão tumultuar o encontro em Roma, que será realizado entre os dias 6 a 27 de outubro.

A reunião de alguns dos principais nomes da Igreja Católica, já alvo de críticas do governo Jair Bolsonaro, também vira palco do confronto interno em relação ao atual pontificado.

O prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé (1912-1917), Gerhald Muller, de 71 anos, e seu colega Walter Brundemuller, de 90 anos, disseram que o documento sobre o Sínodo contém heresia, estupidez e apostasia, informa o jornal Estadão.

Muller reforçou suas objeções aos conceitos defendidos pelo sínodo sobre a Amazônia:

“A cosmovisão dos povos indígenas é uma concepção materialista semelhante ao marxismo e não é compatível com a doutrina cristã.”

O cardeal Brundemuller acrescentou:

“É impossível esconder o fato de que esse sínodo é particularmente adequado para implementar dois dos projetos mais ambiciosos e que nunca foram implementados até agora: a abolição do celibato e a introdução de um sacerdócio feminino, a começar por mulheres diaconisas.”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.