Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Carlos Ghosn diz que vivia como ‘refém do Japão’

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Carlos Ghosn diz que vivia como refem do Japao
Imagem: Mohamed Azakir/Reuters
COMPARTILHE

Ghosn concedeu a primeira entrevista desde novembro de 2018, quando ele foi preso no Japão sob a acusação de fraude fiscal.

Carlos Ghosn, ex-presidente da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, afirmou, nesta quarta-feira (8), que “não teve escolha” a não ser fugir do Japão para o Líbano.

Em uma coletiva de imprensa em Beirute, cidade onde o executivo franco-brasileiro fugiu no fim do ano passado, Ghosn disse que “foi uma decisão difícil, tomada na impossibilidade de ter um julgamento justo”.

Desde a fuga, o executivo passou 130 dias na cadeia, foi demitido da presidência da Nissan e da Mitsubishi e renunciou ao mesmo cargo na Renault.

“Não escapei da Justiça, eu fugi da injustiça e de perseguições políticas”, declarou Ghosn, dizendo ser vítima de uma “campanha sistemática de atores malévolos” para “destruir” sua reputação, informa a agência ANSA.

“Eu era refém de um país ao qual servi por 17 anos”, salientou Ghosn, enfatizando que era “interrogado durante oito horas por dia, sem advogados e sem entender exatamente do que era acusado”. 

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram