Celso Amorim diz que Brasil voltará à ‘Idade Média’ com novo chanceler

Português   English   Español
Celso Amorim diz que Brasil voltará a 'Idade Média' com novo chanceler
TARCISO MORAIS
TARCISO MORAIS
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou na tarde de quarta-feira (14) a indicação do diplomata Ernesto Fraga Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores de seu governo.

Assim como a maior parte dos jornalistas da grande mídia, o ex-chanceler petista Celso Amorim demonstrou completo desconhecimento sobre a diferença entre “globalismo” e “globalização”.

Ernesto Araújo é um crítico ferrenho do globalismo e está foi uma das principais razões pela qual foi escolhido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para chefiar o Itamaraty, conforme noticiou a Renova Mídia.

O discurso de Ernesto Araújo não está repercutindo bem na grande mídia.

Falamos mais cedo sobre um certo desconhecimento por parte dos principais veículos de imprensa sobre os conceitos de globalismo e globalização.

As diferenças entre os dois são “abissais, irreconciliáveis. Não dá para usá-las como sinônimos nunca. Globalismo é um conceito político, enquanto globalização é conceito econômico”.

Para Celso Amorim, ex-Ministro das Relações Exteriores, que atuou por oito anos no governo do ex-presidente Lula, e durante dois anos do governo de Itamar Franco, caso as posições de Araújo e de Bolsonaro sejam colocadas em prática, representariam a “volta à Idade Média”.

Segundo Amorim, um posicionamento anti-globalização e subserviente ao governo dos EUA seria prejudicial para as relações brasileiras com a grande maioria dos países do mundo.

Em entrevista ao blog petista Brasil de Fato, Amorim falou sobre a indicação do novo chanceler:

É viver em um outro mundo, uma volta à Idade Média. Não tem cabimento, você pode até ser contra certos aspectos da globalização. Nós mesmos somos críticos, quando defendemos a agricultura familiar, que o comércio internacional tem que ter certas regras. Elas são necessárias justamente para disciplinar a globalização, para que os benefícios sejam distribuídos de maneira mais justa. Mas não se pode negar a globalização. É você negar a vida, dizer que ela era melhor quando não havia a escrita, ou a imprensa. É algo parecido com isso.

“Excelente! Se Celso Amorim elogiasse o Embaixador Ernesto Araújo aí sim estaríamos preocupados”, disse o deputado federal mais votado da história de São Paulo, Eduardo Bolsonaro, em resposta à matéria da Renova Mídia.

Enquanto isso, o presidente eleito deixou claro para o seu futuro chanceler qual será sua principal missão como ministro das Relações Exteriores: varrer os resquícios do Partido dos Trabalhadores (PT) do Itamaraty, conforme noticiamos ontem.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email

Deixe seu comentário...

Veja também...

SIGA A RENOVA