PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Clero esquerdista quer usar Vaticano para atacar governo Bolsonaro

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Informes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) relatam encontros recentes de cardeais brasileiros com o papa Francisco, no Vaticano, para discutir questões de cunho ambiental e a realização do Sínodo sobre a Amazônia, em Roma, no mês de outubro.

Durante 23 dias, o Vaticano discutirá a situação da Amazônia e tratará de temas utilizados pela esquerda globalista para atacar governantes de viés direitista ao redor do mundo.

O debate no Sínodo sobre a Amazônia irá abordar a situação de povos indígenas, mudanças climáticas provocadas por desmatamento e quilombolas, registra o Estadão.

Com base em documentos que circularam no Planalto, militares do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) avaliaram que os setores da Igreja Católica aliados a movimentos sociais e partidos de esquerda, integrantes do chamado “clero progressista”, pretenderiam aproveitar o Sínodo para criticar o governo de Jair Bolsonaro e angariar respaldo internacional.

“Achamos que isso é interferência em assunto interno do Brasil”, disse o ministro Augusto Heleno.

Na avaliação do governo Bolsonaro, a Igreja Católica, que é uma tradicional aliada do PT, está se articulando para influenciar debates antes protagonizados pelo partido no interior do Brasil e nas periferias.

Escritórios da Abin na região Norte do País estão sendo mobilizados para acompanhar reuniões preparatórias para o Sínodo em paróquias e dioceses.

“Estamos preocupados e queremos neutralizar isso aí”, acrescentou Heleno.

Com base nos relatórios de inteligência, o governo federal vai procurar governadores, prefeitos e até autoridades eclesiásticas que mantêm boas relações com os quartéis, especialmente nas regiões de fronteira, para reforçar sua tentativa de neutralizar a influência do Sínodo na agenda de Bolsonaro.

Ainda de acordo com o Estadão, outra figura militar da equipe de Bolsonaro afirmou que o Sínodo é contra “toda” a política do governo para a Amazônia – que prega a defesa da “soberania” da região.

“O encontro vai servir para recrudescer o discurso ideológico da esquerda”, avaliou ele.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.