Clube Militar parte para o ataque contra Olavo de Carvalho

Idiomas:

Português   English   Español
Clube Militar parte para o ataque contra Olavo de Carvalho
TARCISO MORAIS
TARCISO MORAIS
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

O Clube Militar emitiu recentemente uma nota pública de apoio aos militares que participam do governo Jair Bolsonaro, na qual critica o filósofo Olavo de Carvalho e seus seguidores.


Sem citar nomes diretamente, o texto escrito pelo coronel Sérgio Paulo Muniz Costa diz que a “ala militar” tem sido atingida pela “incontinência verbal” de “aventureiros ignorantes mancomunados em uma nova internacional extremista”.

Após passar anos sendo desprezado pelos governos do Partido dos Trabalhadores (PT), o Clube Militar decidiu atacar parte da base de apoio do presidente Jair Bolsonaro.

O marechal Deodoro da Fonseca foi o primeiro presidente do Clube, dois anos antes de proclamar a República. O vice-presidente, general Hamilton Mourão, comandou a entidade até tomar posse. O próprio presidente da República sempre foi figura assídua por ali.

Siga a RENOVA no TWITTER e acompanhe todas as notícias em tempo real.

Confira abaixo a íntegra do texto intitulado “Desagravo e Alerta”, que foi publicado no dia 26 de abril:

“Neste difícil momento da vida nacional, agravado pelas manobras sórdidas daqueles que desejam manter o País sujeito à corrupção, à violência e ao atraso, é imperioso vir a público manifestar profunda preocupação com o acirramento de ânimos por conta de pronunciamentos, atitudes e medidas que conspiram contra o entendimento pelo qual anseia a sociedade brasileira.

Que sejam essas palavras de desagravo a todas as autoridades que, no fiel desempenho de suas atribuições e animadas do mais elevado patriotismo, vêm sendo alvo de mentiras e intrigas cuja finalidade não é outra senão prejudicar os esforços de recuperação e saneamento nacionais. Não poderíamos nos omitir na defesa dos soldados e dos cidadãos que, desassombradamente, atenderam à convocação para compor a alta administração do governo eleito pela maioria da população com o compromisso de conduzir as reformas urgentes e necessárias para tirar o Brasil da perigosa situação em que se encontra.

Desagravo também aos militares, atingidos pela incontinência verbal que, impune, prospera inexplicavelmente em distintas esferas de poder e de influência no País buscando, pela intimidação e coação, impor ideias e teses radicais que não se coadunam, em absoluto, com a índole da população brasileira crédula nos valores militares que ajudaram a eleger o atual governo.

E desagravo à República, equivocadamente tida por vulnerável ao assalto de aventureiros ignorantes mancomunados em uma nova internacional extremista. Não bastasse o amadurecimento de uma sociedade que aprendeu a aprender sobre a realidade política do País, por sinal melhor do que os sábios de baixo calão em voga, a cultura, o pensamento e a memória nacionais fazem desse projeto tresloucado uma redonda impossibilidade que chega ao paroxismo do ridículo.

Em boa parte, isso está acontecendo porque, mais uma vez, os militares brasileiros são confundidos, por desinformação ou má fé, com uma facção ou partido que persegue interesses próprios, dentro e fora do governo, o que permite opor a sua “ala militar” a qualquer idiossincrasia disfuncional que, com efeito, investe não contra os militares, mas sim contra a soberania, a paz social, a segurança e a democracia do Brasil.

É inadmissível que expoentes dessa linha exótica de pensamento, independentemente de onde estejam, continuem a exibir suas preferências ideológicas sem serem reprovados pela sociedade brasileira, usando saudações fascistas na conclusão de seus discursos ou citando em suas análises desmioladas Carl Schmitt, o teórico constitucional que se colocou a serviço do Terceiro Reich. Por quem tomam os brasileiros? Por covardes? Por ignorantes?

Onde estão os verdadeiros jornalistas, juristas e historiadores do País que não denunciam as terríveis similitudes que existem entre esses valentões de internet e os arruaceiros que tomavam as ruas nos anos 30 do século passado, enfrentando os comunistas para decidir quem teria a primazia de destruir a democracia liberal que sempre odiaram?

Não sabemos onde pretendem chegar esses baderneiros ideológicos que já se sentem seguros o suficiente para não esconderem o que são.

Sabemos sim que os militares brasileiros, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, souberam repudiá-los, recusando-se a assistir desfiles de camisas verdes integralistas no 7 de Setembro ou deixando o auditório da Escola de Estado-Maior do Exército durante a exibição pelo adido militar alemão do filme de propaganda da campanha nazista na Polônia. O tempo e os acontecimentos se encarregariam de nos levar a vencê-los nos campos de batalha da Itália, mas, bem antes disso, nossa nacionalidade já havia nos mostrado que teriam de ser enfrentados.

Portanto, enquanto a sociedade brasileira não desperta para mais um perigo que a espreita, enquanto ela não se dá conta de que está em vias de perder mais uma oportunidade para corrigir os rumos equivocados que vem trilhando, resta aos seus militares, quais sentinelas da Pátria, permanecerem alertas, antes de tudo, àqueles que querem silenciá-los.”

Curta e compartilhe...

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk

Deixe seu comentário...

Veja também...