Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Colégio Santo Agostinho denunciado por promover ideologia de gênero

Colégio Santo Agostinho denunciado por promover ideologia de gênero
COMPARTILHE

O MP de Minas Gerais entrou com a ação por considerar que a instituição expôs os alunos “a situação de risco”, ao abordar a ideologia de gênero nas aulas.

O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) ajuizou uma ação civil pública requerendo que a Sociedade Inteligência e Coração (SIC), mantenedora do Colégio Santo Agostinho, pague uma indenização por dano moral coletivo.

MP considerou que a instituição expôs os alunos “a situação de risco”, ao abordar a “ideologia de gênero” nas aulas, segundo informações de O Tempo.

A ação solicita valor correspondente às mensalidades e à matrícula do ano de 2017 de todos os alunos matriculados na 3ª a 6ª série do ensino fundamental, das unidades de Belo Horizonte, Nova Lima e Contagem, na região metropolitana.

Em nota, o Colégio Santo Agostinho informou que não contempla a “ideologia de gênero. Segundo a instituição, a ação “contém alegações absurdas, desconectadas da realidade e sem correspondência com a verdade”.

 

Entenda a situação controversa

A polêmica começou em julho de 2017, quando mais de 125 pais de alunos do Colégio Santo Agostinho elaboraram uma notificação extrajudicial exigindo que conteúdos relacionados a gênero e sexualidade fossem proibidos em sala de aula.

Em novembro de 2017, os pais dos alunos fizeram uma representação no Ministério Público, questionando a inclusão de “ideologia de gênero” na proposta pedagógica do colégio.

Na ação, os promotores do MP consideraram que houve “ensino de matérias, uso de práticas, de material e de dinâmicas indevidos, inadequados ou incompatíveis com a respectiva idade”.

Eles disseram, ainda, que o ensino “veio a prejudicar o desenvolvimento psíquico e moral dos mesmos, considerando serem pessoas ainda em desenvolvimento”.

O valor da indenização iria para o Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Belo Horizonte.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

PUBLICIDADE