Português   English   Español

COLUNA: A censura aos conservadores americanos

COLUNA: A censura aos conservadores americanos

A primeira emenda da Constituição dos Estados Unidos da América é claríssima ao defender a liberdade de expressão, pilar de qualquer democracia liberal:

‘’ O Congresso não fará nenhuma lei a respeito de um estabelecimento de religião, ou proibindo o livre exercício da mesma; ou abreviando a liberdade de expressão ou de imprensa; ou o direito do povo de se reunir pacificamente e de solicitar ao Governo uma reparação de queixas’’.

Os constitucionalistas defendem a sua interpretação original, ou seja, nenhum limite deve haver para qualquer que seja a opinião de um indivíduo ou grupo.

É justamente ela que vem sendo mais ameaçada na era Trump. Mas não é o presidente americano ou o seu governo que façam qualquer coisa nesse sentido, e sim os seus opositores. Os conservadores americanos, odiosos da Nova Ordem Mundial, do projeto metacapitalista e do liberal-globalismo, estão sofrendo uma censura descarada e muito clara de quem deveria fazer o contrário. Falo da grande mídia e de gigantes da tecnologia, principalmente as que estão envolvidas com a internet.

Páginas de conteúdo conservador no Facebook foram as primeiras vítimas deste movimento de censura. A página “The Activist Mommy”, de um blog do mesmo nome, foi banida por aparentemente ‘’violar as políticas do Facebook’’. A página é de Elizabeth Johnston, uma ativista que fala contra a educação sexual para crianças.

Diversos casos de páginas bloqueadas causaram um grande alvoroço na política americana, mas nada comparável ao banimento do InfoWars de diversas plataformas da internet. O programa de mesmo nome tem um alcance fabuloso, fato que sempre deixou seus antagonistas cuspindo abelha africana. Em reação conjunta, Facebook, Google, Twitter e Spotify apagaram quase todo o conteúdo do InfoWars.

O que é mais engraçado é que toda essa censura aos representantes do conservadorismo americano na mídia independente começou no ano passado e teve seu auge nas eleições de meio de mandato, que renovou boa parte do legislativo americano. Prestes a irem às urnas, os eleitores americanos não puderam acessar boa parte do conteúdo feito por blogueiros e simpatizantes de Trump e dos candidatos do Partido Republicano. Muita coincidência.

Em um artigo magistral e preciso, Jonathan Tepper, colunista do The American Conservative, assinala as mudanças sombrias que aconteceram na internet, antes um meio livre e aberto, agora um meio fechado e controlado por gigantes da tecnologia:

‘’ Os conservadores que amam a democracia devem preferir a descentralização, pois permite que cada usuário faça suas próprias escolhas. Em um sistema centralizado, os usuários não têm controle sobre quais padrões o Google ou o Facebook consideram aceitável – outra pessoa faz essas escolhas em nosso nome’’.

A coisa ficou tão descarada que Mark Zuckerberg teve que prestar esclarecimento ao Senado americano do porquê de tamanha perseguição aos criadores de conteúdo conservador em sua rede social. O Senado Ted Cruz, republicano pelo estado do Texas, deu uma verdadeira prensa em Zuckerberg, que claramente não sabia o que falar diante de tamanho confronto com os fatos. Mas claro, o fato de um senador republicano colocar na parede um dos homens mais poderosos do mundo teve pouco destaque na grande mídia americana – e na brasileira nada foi dito.

Os argumentos das gigantes de tecnologia e da grande mídia para calarem os direitistas são os mesmos: eles propagam notícias falsas e discursos de ódio, portanto não devem ser tolerados e não têm direito a opinião. Mas será que o BuzzFeed e outros do ramo progressista que mentem a rodo sofreram ou sofrerão medidas semelhantes? A CNN, que tanto garantiu ao povo americano que o juiz Brett Kavanaugh era estuprador, sofrerá algo do tipo?

Há dois pesos e duas medidas para os dois lados da política. A esquerda mente o tempo inteiro, destrói reputações e no fim nada acontece com ela – exceto nas urnas. A direita é constantemente amordaçada, e se falar algo que saia da cartilha politicamente correta imposta pela grande mídia, sofre toda sorte de retaliações e consequências ruins.

É óbvio que há uma guerra cultural em curso, e os progressistas utilizam da censura para vencer seus oponentes conservadores. Isso é algo que ocorre no mundo inteiro, não só nos EUA. Mas é justamente na terra da liberdade que a liberdade de expressão está sob ameaça gigante daqueles que dizem lutar por ela.

Referências:

  1. https://constitutioncenter.org/interactive-constitution/amendments/amendment-i
  2. https://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/facebook-e-acusado-de-censurar-paginas-conservadoras-nos-eua-21082018
  3. https://gizmodo.uol.com.br/facebook-bane-contas-pagina-eua-politica/
  4. https://www.theamericanconservative.com/articles/the-death-of-the-internet/
  5. https://www.youtube.com/watch?v=0tzLxNu6L6A
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no vk

Os pontos de vista expressos neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente a posição da RENOVA Mídia.