PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

COLUNA: Adolf Hitler e a Teoria da Borboleta

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O que esses três personagens da História Mundial têm em comum?

PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Adolf Hitler nasceu em 20 de abril de 1889 em Braunau am Inn, Áustria-Hungria e, segundo consta, morreu em Berlim, Alemanha em 30 de abril de 1945 com 56 anos.

Henry Tandey nasceu em 30 de agosto de 1891 em Leamington, Warckshire, no Reino Unido, e morreu em Coventry, West Midlands em 20 de dezembro de 1977 com 86 anos.

Edward Norton Lorenz nasceu em 23 de maio de 1917 em West Haven, nos Estados Unidos, e morreu em Cambridge em 16 de abril de 2008 com 90 anos.

O que esses três personagens da História Mundial têm em comum?

Hitler foi alcançou o posto de Gefreiter (cabo), foi escritor, artista e político. Tandey, destacou-se em algumas ferozes batalhas recebendo a Cruz Vitória por sua bravura em combate e foi o soldado que mais condecorações recebeu durante a I Guerra Mundial.

Edward Lorenz foi matemático, filósofo e meteorologista sendo agraciado com as mais altas condecorações e medalhas nos EUA, Suécia, Japão, Rússia e Países Baixos. 

A I Guerra Mundial, a Matemática e a Teoria do Caos

Lorenz comprovou que a previsão do tempo não poderia abranger mais do que quinze dias. A partir de quinze dias, as previsões de tempo inicializadas com estados iniciais praticamente iguais divergiam significativamente. 

teoria do caos

Ele construiu um modelo matemático mostrando o modo como o ar se move na atmosfera e chegando à conclusão que, pequenas variações nos valores iniciais das variáveis do seu modelo, levavam a resultados finais muito diferentes. 

Lorenz formulou uma frase que passaria a representar a essência da teoria do caos: o bater de asas de uma borboleta no Brasil poderia causar um tornado nos Estados Unidos.

A expressão teve ainda a feliz coincidência de o “atrator¹ ” estudado por Lorenz no seu sistema de equações ter uma forma geométrica semelhante a uma borboleta.

A teoria do caos busca explicar fenômenos que não são previsíveis (não-lineares) e, por este motivo considerados caóticos, pois não há como controlá-los.  Isto consiste na ideia de que pequenas mudanças no início de um evento podem desencadear alterações drásticas, profundas e imprevisíveis no decorrer do tempo.

Mesmo que a diferença seja insignificante a princípio, com o passar do tempo as alterações se acumulariam, gerando um evento totalmente diferente daquele que foi inicialmente previsto.

¹ Atrator – Na física matemática contemporânea, um atrator pode ser definido como o conjunto de comportamentos característicos para o qual evoluiu um sistema dinâmico independentemente do ponto de partida.

Tandey and Hitler

Henry Tandey, impossibilitado de servir nas linhas de combate devido aos ferimentos sofridos durante a I Guerra Mundial na Batalha de Somme, observava as seguidas ondas de bombardeio dos aviões da Luftwaffe em sua cidade. 

Coventry era uma das cidades que contribuía, através de suas fábricas, com o esforço de guerra da Inglaterra. 

Foram 515 bombardeiros cuspindo bombas e mais bombas em toda a Grã-Bretanha.

A ele, Tandey, só restava auxiliar no resgate das vítimas e na retirada dos corpos. 

Mas nada que Henry fizesse naquela noite poderia aliviar sua sensação doentia de culpa.

Ele poderia ter impedido isso. Salvou mais de 560 vidas naquela noite, mas carregava dentro de si o remorso de todo o horror causado pelos nazistas e as vidas perdidas na Guerra que iniciava.

Ele poderia ter mudado o curso da história…

Dois anos antes, em 1938, Henry Tandey, havia descoberto que ELE foi o homem que deixou Adolf Hitler viver.

COMO TUDO ACONTECEU

Quando a I Guerra Mundial estourou, Tandey se juntou à Força Expedicionária Britânica na França e chegou a Ypres em 14 de outubro de 1914, participando de sua primeira batalha sangrenta e ajudando a retirar os feridos na Encruzilhada Menin – imortalizada numa pintura.

Em outubro de 1916, foi ferido na Batalha do Somme em outubro de 1916. Em agosto de 1918 na Batalha de Cabrai, Henry conquistou a Distinguished Conduct Medal por atacar um posto inimigo juntamente com mais dois soldados, eliminando vários alemães e capturando mais 20.

Quinze dias depois, ganhou a Medalha Militar ao resgatar feridos sob fogo e liderar um bombardeio nas trincheiras alemãs. 

Ele mereceu a Victoria Cross em 28 de setembro de 1918 na Batalha de Marcoing. Quando seu pelotão foi detido por fortes tiros de metralhadora, Henry avançou rastejando para localizar o posto de armas e liderou soldados para destruí-lo. Então reconstruiu uma ponte de tábuas cruzando o canal, novamente sob uma saraivada de balas.

Foi neste dia em que ele poupou um inimigo.

Nos meses finais da Primeira Guerra Mundial, ele apontou seu rifle para um soldado alemão ferido e desarmado que tentava fugir do campo de batalha francês. Seus olhos se encontraram e Henry abaixou a arma. O alemão acenou com a cabeça em agradecimento e desapareceu.

Naquele momento de compaixão por outro ser humano, Henry, então com 27 anos, deixou o cabo Adolf Hitler, de 29 anos, sair em liberdade.

Livre para se tornar o ditador e assassino em massa mais vilipendiado de todos os tempos.

Eu não atirava em um homem ferido”, disse ele em 1940. “Mas se eu soubesse quem ele seria … eu daria 10 anos agora para ter cinco minutos de clarividência.”

Ele foi um verdadeiro herói de guerra, sendo o soldado britânico mais condecorado na Primeira Guerra Mundial, portador da Victoria Cross, da Medalha de Conduta Distinta, da Medalha Militar, mais cinco menções em despachos e três faixas de ferimentos.

Military medal, DCM (medal) Victoria Cross (medal)

E por 20 anos, Henry não soube que havia perdido a chance de matar Adolf Hitler. 

Até que, em 1938 ele recebeu um telefonema do então primeiro-ministro Neville Chamberlain, que acabara de voltar de uma reunião (infrutífera) com Hitler onde tentou convencê-lo a sair da guerra.

Chamberlain foi convidado a ir ao retiro de Hitler em Berghof, no topo da colina na Baviera, e o Führer lhe mostrou uma reprodução de “The Menin Crossroads”.

Menin Crossroads After Conservation

Hitler reconheceu Henry na pintura Menin Crossroads After Conservation (Imagem: Green Howards Museum)

Um artista de guerra italiano registrou os soldados dos Green Howards retirando os feridos na Batalha de Ypres em 1914 – com Henry Tandey em primeiro plano carregando um camarada nas costas.

Hitler o reconheceu como o homem que poupou sua vida em 28 de setembro de 1918.

Hitler and his WW1 comrade soldiers
Adolf Hitler - World War One

Ele disse a Chamberlain: “Aquele homem esteve tão perto de me matar que pensei que nunca mais veria a Alemanha. A Providência me salvou do fogo diabólico que aqueles meninos ingleses estavam despejando em nós”.

Hitler então pediu a Chamberlain que transmitisse seus melhores votos de gratidão a Henry. 

A resposta precisa de Tandey na época não é conhecida, mas mais tarde ele falou sobre os momentos finais daquela batalha, e como, enquanto as tropas alemãs estavam em retirada, um soldado alemão ferido entrou em sua linha de fogo. “Eu mirei, mas não consegui atirar em um homem ferido“, lembrou Tandey, “então eu o deixei ir.” 

I took aim but couldn’t shoot a wounded man,” Tandey remembered, “so I let him go.”

Em 1926, mudou-se para Coventry, casou duas vezes, não teve filhos em nenhum dos casamentos e veio a falecer em 1977 com 86 anos. 

Tandey pediu para ser cremado e enterrado no Cemitério Britânico em Marcoing ao lado de seus ex-companheiros de lutas e perto de onde ele ganhou sua medalha Victoria Cross, 60 anos antes. 

Três anos após sua morte, a viúva vendeu suas medalhas por um valor recorde de £ 27.000.

Henry Tandey, Man who didn't kill Hitler - Henry Tandey aged 85 holding his medals at the Walsgrave hospital Coventry December (1976)

Henry Tandey aos 85 anos segurando suas medalhas: Victoria Cross, Distinguished Conduct Medal e Military Medal

Tandey, no calor da batalha, não tinha como saber quem era aquele simples cabo alemão. 

Nem o que aquele ato de misericórdia viria a desencadear.

Um simples gesto, uma atitude pode instigar grandes mudanças. Transformações profundas.

Para o Bem ou para o Mal. 

Reflita bastante sobre o que uma singela borboleta pode causar antes de clicar aqui …

Peritos da PF apontam duas falhas nas urnas eletrônicas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.