PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

COLUNA: As trapalhadas do Delegado Waldir

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Passada a euforia da eleição e da vitória de Jair Bolsonaro, o mundo real da política brasileira começou a imperar no outrora animado ambiente político. Era no mínimo idiotice crer que o estamento burocrático iria dobrar-se a Bolsonaro, sendo ele uma das principais forças a combatê-lo nas eleições.  

E não vá pensando que estou a me referir apenas a partidos como PT, MDB, PSDB ou PP. A velha política não fez apenas o papel de antagonista à onda conservadora: alguns dos seus também quiseram surfá-la. E o PSL, partido do presidente, não fugiu à regra. Tantos e tantos aproveitadores buscaram em Bolsonaro uma âncora firme a garantir um mandato. 

Eis que surge a folclórica figura de Delegado Waldir. O deputado paranaense já foi filiado ao PSDB e ao PR antes de chegar ao partido do atual presidente. Por mais que o tucanato fosse o reduto dos oposicionistas ao PT, é um partido social democrata de centro esquerda. Como alguém muda da água para o vinho de uma hora para outra? 

Reeleito deputado federal, começou a soltar inúmeras pérolas. Primeiro disse que Rodrigo Maia é o ”primeiro-ministro” do Brasil. Também ressaltou que os méritos da aprovação da Reforma da Previdência são todos dele. O mesmo Maia que procurou diversos atritos com o presidente Bolsonaro a troco de nada – a não ser sua autopromoção na mídia como líder sóbrio e racional frente a um presidente louco. Tais atritos fizeram a Bolsa de Valores despencar e a confiança dos investidores diminuírem, mas para Waldir e o próprio Maia, a culpa disso é do governo. 

Como a própria imprensa faz, ele resolveu soltar os cachorros em Onyx Lorenzoni, o ministro da Casa Civil. Disse que o governo não tem base no Congresso. “O PSL tem feito sua parte, mas não tem culpa se o Onyx não criou a base (do governo no parlamento), venho falando há tempos que o governo não tem base no Congresso”. Talvez ele tenha esquecido o fato de Onyx ter articulado a vitória de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre para a presidência da Câmara e do Senado, respectivamente. E ambas as vitórias foram conquistadas com margem significativa. Seria então a articulação de Onyx tão ruim assim?  

Na ânsia de falar bobagem, resolveu arrumar confusão com Olavo de Carvalho, responsável pela volta de uma direita intelectual na política. “O mais absurdo é um ‘guru’ que vive nos Estados Unidos atacar o governo e os militares. O presidente [Bolsonaro] não pode ficar à mercê dessas pessoas e pegar a opinião do ‘louco do dia’ ”. E finalizou: “Bolsonaro tem que dar um basta nesse astrólogo que comanda dois ministérios, pois as pessoas querem Educação, Saúde e Segurança”.  

Aqui vale um comentário mais longo. Olavo de Carvalho definia-se como direitista há bastante tempo, quando a esquerda brasileira reinava sozinha na política, na mídia e na vida intelectual. O gramscismo foi adotado com total sucesso, sendo quase impossível a direita ter algum sucesso na guerra cultural. Mas Olavo surgiu. E com ele veio toda uma geração de verdadeiros intelectuais. 

Se o impacto de suas ideias demorou a surtir algum efeito, seus resultados não foram menos impactantes. Jair Bolsonaro, antes político controverso e folclórico, virou o representante da direita política e venceu a eleição presidencial com um programa doutrinário cristão, conservador e patriota. Essa base doutrinária é encontrada facilmente nos livros de Olavo e é muito cara ao eleitorado bolsonarista. Quem leu ”O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota” e ‘qualquer outro livro da série ”Cartas de um terráqueo ao planeta Brasil” sabe do que estou falando. 

Mas o presunçoso Delegado Waldir parece não ter a mínima noção disso. Ele foi reeleito em uma eleição onde vários pesos-pesados da política brasileira deram adeus à Brasília: Eunício Oliveira, Romero Jucá, Lindberg Farias, Marconi Perillo e até mesmo Dilma Rousseff não lograram êxito em suas respectivas disputas. Sem o eleitorado de Bolsonaro – que defende ideias tão desprezadas pelo deputado – como ele seria reeleito? Se não precisava de tal eleitorado, por que então usou seu nome nas eleições? 

Agora o mesmo deputado anseia por um novo imposto semelhante a antiga CPMF. É perda de tempo tentar ensinar economia a um indivíduo desses, mas caso ele observe a elevação contínua da carga tributária com o crescente rombo nas contas públicas, o que ele propõe é apagar fogo jogando gasolina. Ele vai de frente à agenda liberal econômica do próprio ministro da Economia, Paulo Guedes. Com um líder desses, ter inimigo é bobagem. 

Se o PSL está com a imagem tão desgastada com os eleitores do presidente Bolsonaro, fez por merecer. Os próprios parlamentares pertencentes ao partido são os responsáveis por isso. E as trapalhadas do patético Delegado Waldir entram na conta. Caso o governo queira algum sucesso e bons resultados, que procure outro líder na Câmara.  

Referências: 

1.https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,rodrigo-maia-e-o-primeiro-ministro-diz-lider-do-psl,70002790572 

2.https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2019/04/22/interna_politica,750732/delegado-waldir-critica-onyx-e-que-governo-nao-tem-base-no-congresso.shtml 

3.https://www.gazetadopovo.com.br/republica/delegado-waldir-critica-onyx-e-chama-olavo-de-carvalho-de-louco/ 

4.https://veja.abril.com.br/economia/cintra-cai-mas-lider-do-psl-ainda-espera-nova-cpmf/

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.