Português   English   Español

COLUNA: Caras-pálidas, não atrapalhem ainda mais a vida dos indígenas!

COLUNA: Caras-pálidas, não atrapalhem ainda mais a vida dos indígenas!

Deputados, técnicos, antropólogos, estudiosos, senadores, doutores e demais pessoas interessadas na vida dos indígenas podem ter a melhor das intenções, mas JAMAIS pensarão e viverão como nós, indígenas.

“Kagaiha-ko aikuhetsange tihetselü anügü ehekeni!”. Então, por favor, antes de “decidirem por nós”, tenham ao menos a decência de ouvir nossa voz.

O que se perde com a volta da demarcação e com a volta do Estudo do Componente Indígena (ECI) para a Funai?

– O poder de diálogo com o Congresso Nacional uma vez que o critério de demarcação de terras indígenas pela via da chamada terra tradicional já foi rechaçado de forma contundente na CPI da Funai e do Incra 1 e CPI da Funai e do Incra 2.

– O Estudo do Componente Indígena (ECI) é utilizado nos estudos de impactos de empreendimentos que envolvem terras indígenas, tal estudo serve para estabelecer como serão as indenizações, compensações e outros mecanismos que em tese poderiam ser utilizados para o bem-estar das comunidades indígenas.

Na Funai existem mais de cinco mil processos de Estudo do Componente Indígena (ECI) e sempre se notou que o órgão cria dificuldades para vender facilidades uma vez que está sob o domínio de esquerdistas e “ongueiros”.

– Até hoje os índios lutam contra o Estado brasileiro para que tenham oportunidades de efetivo e real desenvolvimento. A atual configuração da Funai na prática nunca fez isso.

A parte de desenvolvimento e demarcação de terras indígenas no MAPA certamente teria como realizar o desenvolvimento dos índios com mais celeridade e a parte de demarcações com mais sensatez e sem ilegalidades, além disso, ganhariam os povos indígenas uma vez que estariam lado a lado discutindo juntos o desenvolvimento do Brasil como um todo.

Diferente do propagado pelos indígenas ongueiros e pelas ONGs ambientalóides manipuladoras da situação indígena brasileira, a Medida Provisória 870 modificada recentemente é prejudicial em suas alterações na medida em que o texto traz de volta às demarcações e o Estudo do Componente Indígena (ECI) para a Funai, o órgão indigenista sempre agiu de maneira ilegal e manipuladora em relação a esses dois instrumentos.

Conforme apurado em duas ocasiões na CPI da Funai/INCRA os processos demarcatórios no Brasil estão eivados de irregularidades e sem qualquer critério mínimo de razoabilidade.

No caso do Estudo do Componente Indígena (ECI) é uma realidade bizarra, são mais de 5.000 processos parados de obras relevantes que poderiam estar gerando trabalho e renda para o Brasil e consequentemente para as comunidades indigenas.

Todavia, a Funai neste caso do Estudo do Componente Indígena faz o que sempre fez: cria dificuldades para vender facilidades, o caso do Linhão que liga Manaus (AM) à Boa Vista (RR) é o caso mais emblemático.

Assim sendo, e por conta de todos os problemas criados durante décadas envolvendo os dois instrumentos que atingem à vida dos Povos Indígenas do Brasil é fundamental que o Governo Bolsonaro seja mais ágil e inteligente no sentido de trazer de volta às demarcações, o Estudo do Componente Indígena para o MAPA e a Fundação Nacional do Índio para o Ministério dos Direitos Humanos.

Fica a dica para o Governo do Presidente Jair Bolsonaro.


Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no vk

Os pontos de vista expressos neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente a posição da RENOVA Mídia.