COLUNA: Jair Bolsonaro e o antiamericanismo burro

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Há exatos três anos, no auge do meu ensino médio, falava com algumas pessoas sobre política e dizia com um tom de torcida, porém realista: Donald Trump e Jair Bolsonaro tornar-se-ão presidentes de seus respectivos países.

Alguns debocharam da minha cara, mas nunca me importei de verdade com isso. Estava muito seguro de mim que minha previsão estava correta, e o inimaginável para certas pessoas seria fato consumado.

Pois bem, o tempo me deu razão. O presidente americano e seu par brasileiro participaram de um encontro histórico e marcante. Brasil e EUA não tinham relações estreitas desde o governo Jânio Quadros, presidente comprometido com uma política externa subserviente aos interesses da então União Soviética. Qualquer dúvida desse fato é só ler 1964 – o elo perdido. Também marca um encontro de líderes direitistas que são personagens importantes da onda conservadora pós-Brexit, fato amedrontador para o establishment e o deep state em ambos os países.

O que vem chamando minha atenção é o desconforto de certos setores direitistas com a aproximação brasileira com os EUA. ‘’Não podemos entregar o Brasil para os americanos’’, dizem. Mais um capítulo do antiamericanismo idiota e burro reinante em quase todas as correntes políticas no país, vindo dos anos dourados para a esquerda, quando a mesma impôs ao país suas ideias e visões de mundo sem resistência nenhuma.

Brasil e EUA têm muito mais em comum do que esses tolinhos imaginam. São países fortemente cristãos, nasceram com ótimas constituições, com um Estado de direito e práticas liberais políticas que garantiram prosperidade e desenvolvimento. Mas enquanto os americanos seguiram seu caminho próspero e tornaram-se a maior potência econômica e militar do mundo, o Brasil perdeu suas raízes e virou justamente o que nosso pai fundador e nossos imperadores tentaram evitar a todo custo: uma republiqueta caudilhista. Decaímos bastante – a presidência de Dilma Rousseff é a melhor prova de que chegamos no fundo do poço.

Desde então procuramos culpados para nossas desgraças. Em um misto de inveja e burrice, os EUA aparecem como perfeitos culpados. Claro, o imperialismo ianque destrói nossa soberania nacional e coloca nosso país de joelhos frente ao império americano que domina o mundo. E esse Jair Bolsonaro é um completo irresponsável e está a entregar o nosso país de bandeja para os malditos imperialistas. Acharam tal descrição jocosa demais? Pois saibam que a esquerda brasileira, parte da direita e o establishment cultural e midiático pensam assim.

Pior: buscam manter tal narrativa na esperança de algum ganho político como prêmio. O antiamericanismo dopou muita gente na política.

A adoção do livre mercado como modelo econômico pelo governo Bolsonaro casa muitíssimo bem com relações comerciais mais próximas com os EUA. Acham isso ruim? China, Coréia do Sul, Singapura e Chile ganharam tanto com relações estreitas com os americanos que dois países já deixaram o Terceiro Mundo, o outro virou uma potência econômica e militar e o último só não está melhor por ter sido governado por uma socialista. Uma Europa devastada por duas guerras foi reconstruída com ajuda e dinheiro americanos. O Japão, igualmente devastado, foi reconstruído também e por muito tempo foi a segunda maior economia do mundo. Parte da Europa Oriental conseguiu livrar-se do comunismo soviético e experimentar a prosperidade capitalista graças a determinação do presidente americano Ronald Reagan em dar um fim a URSS.

Quem leu o comunicado conjunto dos dois presidentes viu que a carne bovina brasileira em breve voltará a ser comprada como antes pelos americanos – ou até em maior quantidade. 45% de nossas exportações no setor eram compradas por países árabes, que não gostaram da aproximação com os EUA e Israel. O último, aliás, estuda importar nossa carne e com isso o Brasil pode ganhar entre US$ 200 e US$ 300 milhões. Não vamos sair ganhando com relações mais estreitas com os EUA e seus aliados mais próximos?

E outra: tem-se na Casa Branca um presidente anti-globalista, que não cede as pressões dos neocons globalistas. O único de tal espécie é o conselheiro de segurança nacional, John Bolton – o mesmo não goza de muita autonomia no governo americano. O que incomoda então setores ‘’nacionalistas’’ que estão cuspindo abelha africana com a virada na política externa brasileira feita pelo presidente Bolsonaro?

O antiamericanismo é burro. Simples assim. Enquanto acreditarmos que os EUA são movidos por más intenções de dominação global não seremos uma nação próspera. Defesa da soberania nacional não pode e não deve ser pretexto para dispensarmos alianças prósperas e benéficas.

Que o encontro entre Donald Trump e Jair Bolsonaro simbolize um novo capítulo nas relações entre Brasil e EUA. Nós brasileiros precisamos virar gente grande e rejeitar narrativas advindas de ideólogos medíocres e palpiteiros idiotas. Nosso presidente marcou um gol de placa na sua visita aos EUA e continuará a provar que é um baita presidente.

Referências: [1][2][3]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.