COLUNA: João Doria e a isentosfera burra

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O nome de Jair Bolsonaro sempre causa reações apaixonadas – seja de amor ou ódio. Há quem o ame, há quem o odeie.

Símbolo de um momento singular na Nova República, Bolsonaro tomou para si a direita política quando ela estava a ser escorraçada da mídia, da intelectualidade e da própria política. Mesmo com seus defeitos, ele foi o responsável por trazer de volta um debate democrático inexistente e deu dignidade a nossa débil república. 

Mas há quem tente disfarçar a repugnância a Bolsonaro. Há quem tente se colocar acima do bem e do mal. São aqueles que se dizem isentos: vociferam contra o petismo e as esquerdas, mas condenam quem faz esse trabalho prático na política e nos debates. Querem monopolizar todas as virtudes existentes, e tachar todo e qualquer um que conteste suas opiniões de ”extremista”.  

E a tal isentosfera já tem o seu novo representante: João Doria. O mesmo que não angariou apoio suficiente para disputar a presidência da república em 2018. O mesmo que ludibriou o eleitorado paulistano e abandou a prefeitura de São Paulo. O mesmo que já se declarou de ”centro”. Sim, é esse o personagem que a isentosfera adotou como liderança. 

Doria começou a atacar o presidente Bolsonaro em sua polêmica com Felipe Santa Cruz – o presidente nacional da OAB. Disse que sua fala foi ”infeliz”. Bolsonaro, por mais grosseiro e direto que seja, não mentiu. O pai de Santa Cruz era integrante Ação Popular Marxista-Leninista (APML), grupo terrorista responsável por diversas mortes no regime militar. A tal ”Comissão da Verdade” nunca se interessou pelos crimes cometidos pela esquerda armada. Nem João Doria. 

Depois, o mesmo Doria teve a coragem de dizer que não tinha alinhamento político com o governo Bolsonaro. Já que ele nunca quis tal alinhamento, ele parece não ter lembrado disso ao usar o nome de Bolsonaro para vencer o segundo turno na eleição para o governo de São Paulo. O ”Bolsodoria” levou muitos conservadores a votarem no tucano, escolhendo-o ao socialista Márcio França. Agora o alinhamento não é mais conveniente, podendo descer o sarrafo em Bolsonaro. Típica atitude dos covardes e aproveitadores. 

Com a troca de farpas entre a ex-presidente chilena Michelle Bachelet e o presidente Bolsonaro, a oportunidade perfeita para a isentosfera covarde posar de linda e atraente moral apareceu. E Doria não desperdiçou a chance de fazer o mesmo. Disse que o presidente Bolsonaro deveria ”cuidar mais do seu povo’ e brigar menos”. Também falou que “foi uma indelicadeza do presidente. Acho que ele pode compreender, talvez recuar e pedir desculpas”. 

Bachelet é alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, aquele órgão patético que vive crucificando EUA e Israel e passando pano para as verdadeiras atrocidades cometidas por ditaduras socialistas e islâmicas. Bachelet demonstrou preocupação com as mortes supostamente provocadas pela polícia e disse que a democracia está encolhendo no Brasil. Em um país onde a criminalidade é um problema grave, onde 60 mil pessoas perdem a vida por isso e a impunidade de criminosos é uma marca registrada neste país, Bachelet mostrou seu total desprezo e desconhecimento pela situação brasileira. 

Assim como o presidente francês Emmanuel Macron, Bachelet quis intervir indevidamente em um assunto que sua competência não a permite. O que fez Bolsonaro? O seu dever. Defendeu mais uma vez a soberania nacional e reafirmou que os destinos do Brasil dizem respeito aos brasileiros, e não a terceiros. Bolsonaro foi correto e muito claro na sua posição, mesmo exagerando em relação ao pai de Bachelet. 

Mas será mesmo que a soberania nacional é menos importante que fofocas da imprensa e da oposição sobre o jeito de se expressar do presidente? O futuro do povo brasileiro é menos importante do que a obrigação de agradar seus inimigos confessos? 

Para a isentosfera, a resposta óbvia é sim. Ela não quer um presidente; quer um pai ou um namorado. Não quer um líder que resolva os problemas da nação e acabe com a chaga da corrupção e da pobreza; quer um modelo de virtudes intelectuais para ter como parâmetro a seu ego inflado.  

João Doria acha que sua estratégia de se apresentar como moderado frente ao PT e a Bolsonaro o levará ao Palácio do Planalto. No que depender do povo, é improvável. Mas no que depender da grande mídia, dos Reinaldos Azevedos da vida e da isentosfera burra, ele é o seu escolhido. 

Referências: 

1.https://renovamidia.com.br/doria-diz-que-declaracao-de-bolsonaro-sobre-santa-cruz-e-inaceitavel/ 

2.https://oglobo.globo.com/brasil/nao-teremos-alinhamento-politico-com-governo-bolsonaro-diz-doria-23843478 

3.https://www.metrojornal.com.br/foco/2019/09/05/doria-bolsonaro-cuidar-do-povo.html 

4.https://www.youtube.com/watch?v=UyaVKkX7poQ 

5.https://www.gazetadopovo.com.br/vozes/alexandre-garcia/boslonaro-bachelet-pai/ 

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.