Português   English   Español

COLUNA | PT e PCC: Olavo tinha razão mais uma vez

COLUNA | PT e PCC: Olavo tinha razão mais uma vez

A revelação de uma declaração de uma das lideranças do PCC de que a facção criminosa tinha um “diálogo cabuloso” com o PT parece ter causado espanto em muita gente. Até mesmo o dito áudio comprobatório foi colocado em xeque, lançados mil e um questionamentos acerca de sua veracidade.  

Porém, o áudio é real e a dita revelação bombástica não deveria ter surpreendido ninguém. A relação e a defesa do crime organizado e do banditismo por parte das esquerdas é um fenômeno mundial e amplamente documentado; importantes intelectuais esquerdistas já colocaram os criminosos como classe revolucionária e, portanto, útil à pregação utópica. 

Mas o fator de maior relevância para uma melhor compreensão do problema tratado no artigo é o seguinte: alguém no Brasil já tratava da união promíscua da esquerda com o banditismo em sua versão tupiniquim. E era ninguém mais ninguém menos que Olavo de Carvalho. 

A coisa é mais ou menos dessa forma: Karl Marx usou a dialética de Hegel para tentar explicar a história da humanidade, e que para ele a dialética que movia o mundo era a luta de classe. Para o dito cujo, o estágio da dialética histórica era o conflito entre proletários e burgueses, o que seria sucedido pela revolução do proletariado e o consequente ápice da humanidade. 

O marxismo foi então utilizado na Revolução Russa pelos comunistas russos. Mas já aí surge um problema. Com o advento da Primeira Guerra, os marxistas pensaram que os trabalhadores iriam abandonar as fábricas e iriam aproveitar o estado de coisas da guerra para fazer a revolução. O que aconteceu foi justamente o contrário: o proletariado em peso foi lutar na guerra por suas respectivas pátrias, com a família e a religião como bens irrevogáveis a defender. 

Com o fiasco do proletariado como classe revolucionária, os marxistas deveriam procurar uma outra classe para assumir o seu lugar, uma vez que os trabalhadores eram apegados demais às velhas tradições e o capitalismo iriam proporcioná-los uma vida mais confortável. E aí que surge Herbert Marcuse. Em seu livro ”O homem unidimensional”, Marcuse afirma que a nova classe revolucionária seria composta por pessoas a margem da lei: bandidos, assassinos, prostitutas e desordeiros em geral. 

Desde então, de marxistas ortodoxos a progressistas liberais, de Hobsbawm a Barack Obama, a esquerda política passou a defender a classe do crime, alegando que ela é vítima da sociedade opressora e das péssimas condições socioeconômicas, sendo a ação do Estado e a prometida revolução as soluções para o problema.  

Se todo esse processo aconteceu no mundo inteiro e influenciou as esquerdas de diferentes países, aqui no Brasil não foi diferente. Por décadas a esquerda brasileira fez apologias ao banditismo social, criando heróis como Lampião e Carlos Marighella, sempre reverberando a narrativa do crime como legítima expressão das desigualdades sociais. A subida da esquerda ao poder seria a solução para todos os problemas da sociedade, sendo ela a única redentora dos bandidos supostamente vítimas da opressora exclusão social. 

Tantas apologias ao banditismo não poderiam resultar em outra coisa. A ascensão do crime e o aumento da violência em todo o país não podem estar separados do apoio que a esquerda deu ao crime. Olavo de Carvalho foi um dos primeiros a denunciar tal fenômeno. Em um brilhante artigo intitulado ”Bandidos e letrados, Olavo expôs com a precisão de sempre as causas do problema: ” Humanizar a imagem do delinquente, deformar, caricaturar até os limites do grotesco e da animalidade o cidadão de classe média e alta, ou mesmo o homem pobre quando religioso e cumpridor dos seus deveres — que neste caso aparece como conformista desprezível e virtual traidor da classe —, eis o mandamento que uma parcela significativa dos nossos artistas tem seguido fielmente, e a que um exército de sociólogos, psicólogos e cientistas políticos dá discretamente, na retaguarda, um simulacro de respaldo “científico”. 

Olavo foi mais longe e detectou a raiz do surgimento do crime organizado: ” Mas a colaboração desses senhores dialéticos para o crescimento da criminalidade no Rio foi bem mais longe do que a simples preparação psicológica por meio da literatura, do teatro e do cinema: foram exemplares da sua espécie que, no presídio da Ilha Grande, ensinaram aos futuros chefes do Comando Vermelho a estratégia e as táticas de guerrilha que o transformaram numa organização paramilitar, capaz de representar ameaça para a segurança nacional. Pouco importa que, ao fazerem isso, os militantes presos tivessem em vista a futura integração dos bandidos na estratégia revolucionária, ou que, agindo às tontas, simplesmente desejassem uma vingança suicida contra a ditadura que os derrotara: o que importa é que, ensinando guerrilha aos bandidos, agiram de maneira coerente com os ensinamentos de Marcuse e Hobsbawn — então muito influentes nas nossas esquerdas —, os quais, até mesmo contrariando o velho Marx, exaltavam o potencial revolucionário do Lumpenproletariat.” 

A esquerda fez dos criminosos a classe revolucionária por natureza. Normalizou o crime e até mesmo o incentivou. Não foi a ícone das feministas tupiniquins que disse ver uma lógica no assalto? Não foi a máquina de passar vergonha psolista que tomou as dores de bandidos assassinos? O que Olavo de Carvalho fez foi diagnosticar o óbvio. 

O áudio de uma das lideranças do PT apenas escancarou a óbvia relação da esquerda com o crime organizado. Uma ligação antiga. Não só relações pessoais, mas uma defesa podre e imunda de quem não merece defesa.  

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no vk

Os pontos de vista expressos neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente a posição da RENOVA Mídia.