COLUNA: ‘Russiagate’ era mentira: relatório dá vitória inequívoca a Trump

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Donald Trump venceu uma eleição marcada pelo inusitado, pela novidade. O povo deu a vitória a alguém que nunca foi político para dar um sinal claro ao establishment: queremos vocês fora da Casa Branca. Não falo apenas dos democratas, Nancy Pelosi e cia. Falo também de alguns republicanos como John McCain e Paul Ryan – tão envolvidos com o Deep State quanto seus pares à esquerda.

Na ânsia de justificar a derrota por algum truque maquiavélico trumpiano, começaram a levantar as mais variadas justificativas. A clássica e repetida evidência de racismo, machismo e homofobia de metade do eleitorado americano foi a primeira desculpa esfarrapada. Desde a década de 1980, quando o movimento conservador americano dominou o Partido Republicano e recuperou os valores americanos legítimos, essa não cola mais. Alguma outra coisa deveria ser cogitada.

Então veio o Russiagate – uma suposta interferência russa do Kremlin para beneficiar a campanha de Trump. Sendo o presidente russo, Vladimir Putin, um pária para os americanos, o adesivo de fantoche do mesmo seria algo para perseguir e incomodar Donald Trump em seus quatro anos de mandato. Ou melhor: encontrar algo grave que pudesse levar ao sonhado impeachment.

O tempo foi passando e a estratégia de minar a popularidade do presidente parecia estar dando certo. Sua aprovação popular chegou a estar na faixa de 37-42¨%, nível mais baixo história. Numa atitude irresponsável e politiqueira, típica de péssimos perdedores, atrapalharam o diálogo necessário entre Washington e Moscou para dar um basta na Guerra da Síria, como também no grupo terrorista Estado Islâmico.

Os democratas fizeram muita fumaça para pouco fogo. A narrativa do Russiagate era sedutora e viciante, mas no mundo real era frágil e enganosa. O procurador Robert Mueller teve uma investigação nas mãos com amplos poderes e orçamento ilimitado para vasculhar a vida de Trump e seus partidários de campanha. O tempo foi passando e nada de Mueller encontrar pelo menos um indício de conluio com os russos.

No domingo veio à tona o que era óbvio e claro para qualquer pessoa bem informada: não houve conluio. Trump foi declarado inocente. Nenhum cidadão americano foi denunciado pelo famigerado Russiagate.

Os 22 meses de perseguição ininterrupta a Trump e a sua presidência não deram em nada na esfera judicial. Acordos comercias de décadas atrás também foram vasculhados – nada de comprometedor foi encontrado. Toda a narrativa vendida pelos democratas e a grande mídia cai por terra.

Não devemos, entretanto, nos esquecer de quem alimentou tal narrativa. A tríade iluminada CNN-NYT-The Washington Post deu como certa e incontestável as maiores alegações do Russiagate. Especularam o impeachment do presidente Trump já em suas primeiras semanas de mandato. Enquanto o ceticismo por uns foi tratado como colaboracionismo pela mesma tríade, as evidências derrubavam uma por uma as acusações feitas a Trump.

A grande mídia brasileira, sempre certa e cheia de si – apesar de errar previsões e análises faz muito tempo -, engoliu sem questionar a narrativa do Russiagate. Se o crédito que ela tinha para com a população mais esclarecida era inexistente, agora a vaca foi para o brejo mais uma vez. Como mentir descaradamente e noticiar narrativas ao invés de fatos é o modus operandi único da imprensa brasileira, não espere nenhuma retratação ou coisa do tipo.

Ela nunca parou para pensar na possibilidade de o presidente Trump estar certo em suas alegações, e se o fez, foi com o velho silêncio constrangedor. O fato foi trocado pela narrativa, a mentira fez-se verdade como se exige que dois mais dois dê cinco.

Tem que ser muito idiota para acreditar que notícias falsas e anúncios de Facebook pagos por russos fizeram Hillary Clinton perder a eleição de 2016. Além de idiota, precisa ter olhos vendados. Ou um cérebro inútil.

Como coisas tão banais iriam decidir o voto de eleitores pertencentes a mais sólida democracia do mundo? Aceitar o Russiagate e seu modus operandi não era apenas chamar o eleitorado republicano de burro; era jogar no lixo a credibilidade de instituições americanas junto com o seu sistema político.

Recentemente um artigo meu para mostrar o quanto a grande mídia mentiu sobre Trump foi publicado na RENOVA. Mostrei que o interesse da CNN não apenas partidário, mas comercial: queriam alimentar a mentirosa interferência russa para ter audiência. Qualquer dúvida veja o que diz John Bonifield.

Mesmo que os democratas se apeguem a uma ou outra fala solta do relatório, parece muito claro que acabou. Sua credibilidade está em frangalhos, e Trump sai fortalecido do caso. Com 2020 batendo à porta, veio em ótima hora a revelação de que o Russiagate não passou de uma mentira política mal planejada. A hora de o Partido Democrata pagar por suas mentiras e tumultuarem a presidência de Trump não está muito distante.

Quando a mentira vira regra e o ceticismo é descartado, não há jornalismo, não há democracia, não há justiça. A coragem e a verdade devem prevalecer frente aos interesses políticos repugnantes que usam de artifícios sujos para derrotar seus inimigos de forma indigna.

Acabou da melhor forma possível um carma da política americana. O Russiagate era mentira, seus apologistas estavam a mentir e o presidente Trump é o vitorioso inequívoco do desfecho da investigação. Não só ele. Além dos republicanos e a Casa Branca, a verdade também é a grande vitoriosa. Triunfo tardio, porém, significante.

Referências: [1][2][3][4][5] 

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.