Português   English   Español

Conheça os alvos do ataque hacker contra o “coração” da Lava Jato

Conheça os alvos do ataque hacker contra o "coração" da Lava Jato
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) está investigando profundamente o ataque cibernético que expôs mensagens privadas de autoridades brasileiras.


PF e MPF têm indícios de que o ataque contra o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e de procuradores da República foi muito bem planejado e teve alcance bem mais amplo do que se sabe até agora.

Entre os alvos dos criminosos, estiveram integrantes das forças-tarefas de ao menos quatro estados: Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Distrito Federal. Além deles, delegados federais de São Paulo e magistrados do Rio e de Curitiba também estão entre as vítimas.

Apesar da intensa repercussão nacional, o esquema criminoso continua em atuação. Na noite de terça-feira, um hacker entrou em contato com o procurador José Robalinho e enviou mensagens para o grupo privado do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) no aplicativo de mensagens Telegram.

Em reportagem publicada nesta quarta-feira (12), o jornal O Globo listou 16 vítimas dos ataques cibernéticos até o momento. Confira abaixo:

  • Sergio Moro, ministro da Justiça
  • Deltan Dallagnol, procurador
  • Gabriela Hardt, juíza
  • Abel Gomes, desembargador
  • Flávio de Oliveira Lucas, juiz
  • Rodrigo Janot, ex-PGR
  • Paulo Galvão, procurador
  • Thaméa Danelon, procuradora
  • Ronaldo Pinheiro de Queiroz, procurador
  • Danilo Dias, procurador
  • Eduardo El Haje, procurador
  • Andreu Borge de Mendonça, procurador
  • Marcelo Weitzel, procurador
  • Gabriel Mascarenhas, jornalista

Curta e compartilhe...

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...