Corregedoria apura suposto grampo ilegal contra Lava Jato de Curitiba

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

“A sindicância servirá para que seja esclarecida a existência de equipamentos utilizados para gravação de chamadas telefônicas”, diz MPF em nota.

A Corregedoria do Ministério Público Federal (MPF) está apurando se integrantes da força-tarefa da operação “Lava Jato”, em Curitiba, foram alvo de grampos telefônicos ilegais. 

A medida foi determinada, nesta segunda-feira (29), pela corregedora-geral, Elizeta Maria de Paiva Ramos.

De acordo com nota divulgada pela assessoria de imprensa do MPF, a apuração será feita tanto pela “ótica do fundamento e formalidades legais da diligência quanto da sua forma de execução”:

“A sindicância também servirá para que seja esclarecida a existência de equipamentos utilizados para gravação de chamadas telefônicas recebidas por integrantes da equipe da força-tarefa, incluindo membros e servidores. Nesse caso, o objetivo é apurar a regularidade de sua utilização, bem como os cuidados e cautela necessários para o manuseio desse tipo de equipamento pelos respectivos responsáveis.”

A apuração da Corregedoria do MPF representa mais um episódio da crise entre os procuradores do Paraná e a Procuradoria-Geral da República (PGR) comandada por Augusto Aras.

Os integrantes da Lava Jato suspeitam que a subprocuradora Lindôra Araújo, braço-direito de Aras, tenha tentado obter ilegalmente informações sobre a operação. A PGR nega as acusações.

Referências: [1]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.