Crianças exibem a face mais dramática da crise na saúde da Venezuela

Idiomas:

Português   English   Español
TARCISO MORAIS
TARCISO MORAIS
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

A falta de medicamentos e insumos médicos na Venezuela chega a 80%, evidenciando um dos problemas mais críticos gerados pela ditadura comunista de Nicolás Maduro.


A mortalidade infantil aumentou 30,12% em 2016 em relação a 2015 – 11.466 mortes de menores de um ano -, de acordo com a última cifra oficial.

Édgar Sotillo, médico no hospital infantil J. M. de los Ríos, no centro de Caracas, declarou:

Não temos medicamentos. Estamos vendo catapora, tuberculose, malária, sarna. Às vezes o hospital não tem água. Os pacientes são infectados e não existem antibióticos, e os casos se complicam.

Na Venezuela são frequentes as manifestações por falta de remédios e insumos, que o governo importa cada vez menos após a queda dos preços e da produção de petróleo, fonte de 96% das divisas.

Siga a RENOVA no TWITTER e acompanhe todas as notícias em tempo real.

Dois médicos foram detidos na segunda-feira (14) em um protesto em um hospital de Maracaibo, capital do estado petroleiro de Zulia, denunciou a principal universidade da região.

No hospital infantil J.M. de los Ríos tampouco existem reativos para exames de sangue, há tubos quebrados, somente um elevador funciona e “ratos e baratas” percorrem os corredores, segundo os médicos.

“Não podemos operar porque faltam insumos. Existem pacientes que melhoraram, mas pela falta de medicamentos a situação complica e falecem”, disse uma médica sob anonimato.

Belén Arteaga, chefe de Nefrologia, confessou que ganha apenas o salário mínimo: 2,5 milhões de bolívares – 36 dólares no câmbio oficial e três dólares no mercado negro -, que não dão para um quilo de carne devido à hiperinflação.

No ano passado, Belén viu quatro crianças morrerem por falta de antibióticos.

“Os médicos vão embora. Tínhamos três residentes, dois saíram: para uma o salário não dava para pagar a casa onde morava, a outra saiu do país”, indicou.

Segundo a Sociedade Médica Venezuelana, 30% da equipe médica emigrou.

 

Com informações do: [CorreioBraziliense]

Curta e compartilhe...

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk

Deixe seu comentário...

Veja também...