Após decisão do STF, cidade tem recorde de mulheres presas

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Sete foram detidas por porte de drogas e requereram domiciliar seguindo entendimento da Corte em HC coletivo.

As informações são de Márcio Falcão no site JOTA:

Durante o plantão do fim de semana no Fórum Estadual de São José do Rio Preto (SP), o promotor de Justiça Sergio Clementino se deparou com uma situação que, segundo ele, não é muito comum para a cidade e representa um “recorde”: sete mulheres presas. Todas por tráfico de drogas. Cinco tentaram ingressar na unidade prisional da cidade com pequenas quantidades de entorpecentes escondidas pelo corpo e duas estavam nas ruas quando foram detidas.

Segundo Clementino, todas alegaram ter filhos pequenos e requereram de pronto a prisão domiciliar. Cinco acabaram beneficiadas, seguindo o entendimento do Supremo Tribunal Federal da semana passada, de que presas grávidas ou com filhos até 12 anos devem cumprir pena em casa. Duas foram mantidas presas.

Na semana passada, o Supremo concedeu, pela primeira vez, um habeas corpus coletivo e garantiu às grávidas e às mães de filhos de até 12 anos a transferência da prisão preventiva para domiciliar. O colegiado também estendeu o benefício às mães menores de idade que estão em centros socioeducativos e a mães de pessoas com deficiência, independentemente da idade do filho. A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, porém, colocou como exceção presas por crimes praticados mediante violência ou grave ameaça ou, ainda, contra seus descendentes.

“Foi muito sintomático. Normalmente, o número de presas é muito baixo. E, desta vez, foram sete, sete com as mesmas alegações, filho pequeno, pedindo prisão domiciliar. Não sei se isso vai se manter, se é uma tendência, mas é curioso”, afirma o promotor.

No fim de semana, Clementino usou sua rede social para tratar da questão e seu post viralizou, rodando grupos de mensagens instantâneas de advogados, juízes, integrantes do Ministério Público. O texto era o seguinte: “Primeiro plantão depois que o STF deu prisão domiciliar para mulheres com filhos menores. SETE mulheres presas (um recorde). Todas alegaram ter filhos pequenos. Todas pediram prisão domiciliar. A maioria tentava entrar em presídios com drogas. O tráfico já entendeu o recado. Assim seguimos.”

Em conversa com o JOTA, Clementino afirmou que é cedo para ter um termômetro dos efeitos da decisão do Supremo, mas que, numa visão inicial, é possível esperar que as mulheres jovens, com filhos, possam ser recrutas para o tráfico, passando a preferência em relação aos menores de idade. Para o promotor, o homem exerce muito controle sobre as mulheres, tendo a dependência emocional e financeira.

Ele disse que o desafio da Justiça é encontrar saídas jurídicas para cumprir a decisão do Supremo, mas manter o rigor no combate aos crimes, em especial ao tráfico. “Vamos estudar as saídas jurídicas para mostrar que em muitos casos não há como conceder a domiciliar, como é o caso de organização criminosa, como estabelece a decisão do Supremo”, afirmou. Agora, diz o promotor, é preciso ficar atento ao que seriam as excepcionalidades a que se referia a decisão do Supremo.

O integrante do MP disse que, em grupos de mensagens instantâneas, colegas relataram situação parecida com a de São José do Rio Preto em Santo André (SP) e em Mogi das Cruzes (SP).

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.